Grupos de estudantes voltam a se enfrentar na Mendes de Moraes

Jovens contrários à ocupação invadiram escola, na Ilha, mas fugiram antes da chegada da PM

Por O Dia

Rio - O vereador Babá (PSOL) e alunos que ocupam, há mais de um mês, o Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador,ficaram encurralados ontem de manhã, durante ataque realizado por jovens contrários à ocupação, que querem o retorno às aulas. Uma parte do grupo pulou o muro lateral da unidade e abriu o portão para os que aguardavam do lado de fora. Como não estavam usando uniforme escolar, não se sabe se eram, de fato, estudantes.

Jovens pularam muros e quebraram vidros para forçar desocupaçãoSandro Vox / Parceiros / Agência O Dia

Dois alunos que estavam na ocupação contaram que foram atingidos por pedradas, que ainda acertaram vidros da janela do refeitório. Artefatos também teriam sido lançados no pátio, que fica próximo a botijões. A confusão só terminou depois que um professor, usando um capacete de moto para se proteger das pedras, conseguiu fechar o portão.

A PM foi acionada, mas quando chegou os invasores já tinham deixado o local.Um membro do movimento de ocupação, que não quis se identificar, disse temer novas invasões. “Não é a primeira vez esta semana. Na terça-feira, fomos chamados para uma reunião na Secretaria Estadual de Educação, e fomos invadidos. Tentaram lançar uma menina da janela do segundo andar e um rapaz foi machucado. Não parece ser ato de estudante. Ainda mais, se aproveitando da nossa ausência, por conta de uma reunião na secretaria”, disse. Nas redes sociais, o movimento Desocupa Mendes postou uma nota afirmando que o grupo apoia o diálogo e ações pacíficas, mas reconhece que há ânimos exaltados.

Já a Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) pediu consenso entre as partes rivais e informou que não apoia nenhum dos dois movimentos. A Seeduc também alegou que se reuniu com estudantes para ouvir reivindicações, sendo que uma das principais, a exoneração do diretor da unidade, já foi atendida. O vereador Babá, que estava visitando a escola, disse que pretende denunciar o ocorrido à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa (Alerj).

Veja o vídeo: 

Últimas de Rio De Janeiro