Polícia prende dois suspeitos de participar de estupro coletivo

Jogador do Boavista, Lucas Perdomo foi preso em restaurante no Centro. Já Raí de Souza se entregou na delegacia

Por O Dia

Rio - A polícia prendeu, nesta segunda-feira, dois suspeitos de participar de estupro coletivo contra uma jovem de 16 anos, no Morro São José Operário, na Praça Seca, na Zona Oeste. O jogador do Boavista Lucas Perdomo, de 20 anos, foi detido pelos agentes no Restaurante Capadocia, no Centro, enquanto esperava para dar entrevista à imprensa. Já Raí de Souza, de 22 anos, se entregou na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), nesta tarde. Eles responderão pelos crimes de estupro e pela divulgação dos vídeos.

Responsável pelo caso, a delegada titular da DCAV Cristiana Bento afirmou que o exame de corpo de delito é importante, mas não determinante para o caso. Ela ressaltou ainda que a parte do estupro foi provada ao ser registrada no próprio vídeo.

Segundo a titular da DCAV, o fato de pelo menos um homem ter tocado as partes íntimas da vítima desacordada é a prova de estupro coletivo. "Se ela estava imobilizada, não vai ter lesão, porque ela não ofereceu resistência. O laudo concluiu isso. A minha visão é que houve estupro coletivo. O que quero provar é a extensão desse estupro", destacou.

O chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, contou que três homens estavam na cena da filmagem. "Todos, inclusive quem divulgou os vídeos sem ter participado do ato, serão indiciados por estupro de vulnerável, pois são partícipes", afirmou.

Jovem foi vítima de estupro coletivo na Praça SecaReprodução TV Globo

Em nota, a assessoria de imprensa da Defensoria Pública do Rio de Janeiro informou que assumiu a defesa da vítima e ela já foi atendida nesta segunda-feira por defensoras do Núcleo de Defesa da Mulher (Nudem), que passa a acompanhar todos os depoimentos e desdobramentos do caso.

Polícia faz operação para encontrar suspeitos

Desde a manhã desta segunda-feira, a polícia realiza uma operação para cumprir seis mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos durante a investigação do crime. Marcelo Miranda da Cruz Correia, Michel Brasil da Silva, Sérgio Luiz da Silva Junior e Raphael Assis Duarte Belo ainda estão sendo procurados pelos agentes.

O caso ganhou repercussão na última quarta-feira após a divulgação de um vídeo nas redes sociais, no qual a vítima aparecia nua e desacordada na cama. Achando graça da situação, o rapaz que divulgou ainda imagens ainda escreveu: "Amassaram a mina, intendeu ou não ou não intendeu? Kkk" (sic). Imediatamente, internautas começaram a denunciar a publicação e postar mensagens em repúdio ao usuário.  

LEIA MAIS

Jovem vítima de estupro coletivo pode deixar o estado por conta de ameaças

Polícia Civil faz operação para prender envolvidos em caso de estupro coletivo

?Delegado é afastado do caso de estupro coletivo e DCAV assume investigações

O laudo do exame de corpo de delito feito pela jovem não apontou indícios de violência. A demora para que o exame fosse feito pode ter contribuído para que os vestígios do crime tenham sumido. Além do resultado do exame, a polícia fez ainda uma perícia no vídeo postado na Internet. Ao Bom Dia Rio, o chefe de polícia Fernando Veloso contou que a perícia às quais as images foram submetidas devem revelar fatos que podem "contrariar o senso comum que vem sendo formado pelas pessoas sobre o caso".

“Não há vestígios de sangue nenhum que se possa perceber pelas imagens que foram registradas. Eles [os peritos] já estão antecipando, alinhando algumas conclusões quanto ao emprego de violência, quanto à coleta de espermatozoides, quanto às práticas sexuais que possam ter sido praticadas com ela ou não. Então, o laudo vai trazer algumas respostas que, de certa forma, vão contrariar o senso comum que vem sendo formado por pessoas que sequer assistiram ao vídeo”, afirmou Veloso à TV Globo.

Ontem, em entrevista exibida pelo Domingo Espetacular, da TV Record, a adolescente de 16 anos recordou os momentos que ocorreram após a agressão. "Acordei em um lugar totalmente diferente, com um homem embaixo de mim, outro em cima e dois me segurando, muito garotos rindo, eu estava dopada (...) Provavelmente colocaram alguma coisa na minha boca, no meu nariz enquanto eu estava dormindo", contou a adolescente que se recorda de ter passado a tarde de sábado na casa do namorado após ter participado de um baile funk.

Últimas de Rio De Janeiro