Intérprete de libras comemora repercussão após debate: 'Alcancei meu objetivo'

Nas redes sociais, internautas disseram que Gildete Amorim 'roubou a cena' em relação aos candidatos à prefeitura

Por O Dia

Rio -  A intérprete de libras Gildete da Silva Amorim, de 40 anos, “roubou a cena” durante o debate entre os candidatos à prefeitura do Rio, nesta quinta-feira, na TV Band. Nas redes sociais, os internautas ficaram impressionados com as expressões faciais e corporais da fonoaudióloga. “Tenho impressão de que ela está xingando todo mundo e falando tudo ao contrário”, disse um deles. “Meu voto vai para ela”, brincou outro usuário.

Diante de tantos comentários, a fonoaudióloga contou que ficou surpresa com a repercussão e feliz por ter conseguido alcançar o objetivo de comunicar com clareza ao público surdo o que era dito no debate. Para ela, é importante que a língua de sinais seja difundida entre aqueles que não a conhecem.

Gildete da Silva Amorim fez sucesso durante debate de candidatos à prefeitura do Rio%2C na noite desta quinta-feira%2C na TV BandDivulgação

"Fico surpresa, mas não me causa estranheza. É muito gratificante. Fico feliz que, por meio do meu trabalho, a língua está sendo alcançada para a comunidade surda. O mérito não é meu, mas, sim, dos surdos. A cada dia eu aprendo mais com eles", elogiou a profissional, que também é professora na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Em relação às expressões faciais e corporais que chamaram atenção dos internautas, Gildete explicou que elas fazem parte do trabalho de intérprete de libras. "É importante que o intérprete incorpore cada candidato, ao que ele está transmitindo, para que a sociedade surda tenha noção do que está acontecendo naquele momento da mesma forma que o ouvinte", destacou a fonoaudióloga, que tem uma irmã surda.

Gildete trabalha como intérprete há 22 anos e já tinha participado do debate entre candidatos a governador do Rio, em 2014, também na TV Band. No caso do programa desta quinta-feira, ela disse que teve um certo problema com as constantes interferências da plateia entre as falas de cada candidato. "O ouvido tem que estar sempre atento e perceptível a todos os ruídos. Mas consegui fazer com que os surdos tivessem entendimento de tudo. Já tive o retorno deles", acrescentou.


Últimas de Rio De Janeiro