Febre amarela: Falta vacina para quem precisa

Número de doses nos postos municipais não é suficiente para atender aqueles que vão viajar para áreas endêmicas

Por O Dia

Pessoas fazem filas nos postos municipais para receber doses da vacinaReprodução

Rio - O surto de febre amarela silvestre, que já registra 1 mil casos suspeitos em todo o país, tem provocado uma corrida aos postos de saúde pela vacina contra a doença. No Rio, pessoas que vão viajar para áreas de risco e deveriam ter prioridade estão voltando para casa sem conseguir ser imunizadas. A grande procura tem causado grandes filas e já deixa cariocas com passagens agendadas sem a dose.

A jornalista Helena Santos, de 63 anos, vai viajar para Minas Gerais, estado com o maior número de casos confirmados da doença (158), mas não conseguiu tomar a vacina no Centro Municipal de Saúde Heitor Beltrão, na Tijuca. “Fui no posto hoje (ontem), mas não consegui porque tinha muitas pessoas. Preciso tomar logo a vacina porque eles orientam 10 dias antes de viajar. Irei lá de novo e vou chegar bem cedo. Vamos ver se tenho sorte”.

De acordo com o ‘RJTV’, algumas pessoas que vão viajarpara áreas endêmicas passaram pela mesma situação em um posto de vacinação no Recreio de Bandeirantes. O posto distribui 100 doses por dia, mas a demanda foi tão grande que não conseguiu atender a todos que aguardavam.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que há um desabastecimento da vacina devido à grande procura. O secretário Carlos Eduardo orienta que as pessoas não se desesperem em busca da vacina. “Eu peço para ninguém se apavorar em virtude de que não existe febre amarela urbana no território nacional desde 1942. Então, não há a menor necessidade dessa correria. Isso inclusive está prejudicando quem precisa ser vacinado de verdade porque o nosso estoque realmente está enfrentando grandes dificuldades”, admitiu.

Segundo a SMS, apenas em janeiro foram aplicadas mais de 40 mil doses da vacina, quando a média mensal de dezembro foi de 5 mil. O reabastecimento das unidades depende das remessas enviadas pelo Ministério da Saúde, responsável pela compra e distribuição de vacinas para os estados e municípios .

A Secretaria Estadual de Saúde informou que no dia 25 de janeiro foi solicitada uma nova remessa de 350 mil doses ao Ministério da Saúde, já disponibilizada, elevando para 700 mil o total de doses de vacina para o estado. A proprioridade da campanha de vacinação emergencial é para os 21 municípios localizados nas divisas com Minas e Espírito Santo.

O Ministério da Saúde contabilizou 1.006 casos suspeitos, sendo 180 confirmados. Pelo menos 65 pessoas morreram e outros 89 óbitos estão sob investigação.

Reportagem da estagiária Marina Cardoso

Últimas de Rio De Janeiro