Forças Armadas atuarão com nove mil militares no Rio

Reforço na segurança deve ocorrer até a próxima quarta-feira, mas prazo poderá ser estendido

Por O Dia

Rio - As Forças Armadas reforçarão a segurança no Rio com nove mil militares, de acordo com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, nesta terça-feira. Após um pedido do governador Luiz Fernando Pezão, as tropas ficarão no estado até a próxima quarta-feira, mas o prazo pode ser estendido e terminar só depois do Carnaval. A medida foi liberada pelo presidente do presidente Michel Temer nesta segunda-feira.

De acordo com Jungmann, o caso do Rio é diferente do Espírito Santo. O ministro explicou ainda que os militares vão desempenhar o papel da polícia e farão até revista nos ônibus. O Exército vai atuar na Transolímpica, em trechos da Avenida Brasil, nas praias de Niterói e em algumas praças de São Gonçalo. Já outros mil fuzileiros fiarão do Caju ao Leblon. No entanto, as Forças Armadas não vão para os municípios da Baixada Fluminense.

Ministro da Defesa%2C Raul Jungmann%2C detalha atuação das Forças Armadas no Rio até depois do Carnaval. Pedido foi feito pelo governador PezãoSeverino Silva / Agência O Dia

?"Diferentemente do que se passou ou vem se passando em alguma medida no Espírito Santo, não há descontrole, não há desordem (no Rio de Janeiro). O policiamento, em que pesem os protestos, estão na ordem de 95%, 97%, realizando suas missões", afirmou Jungmann. "Não temos indicativo de inteligência que fale em contágio da situação do Espírito Santo no Rio", completou o ministro.

Pezão alega 'períodos difíceis' ao pedir reforço 

Pezão mostrou preocupação com a segurança do estado, ao confirmar que pediu a Temer um reforço no policiamento. "Agora, são períodos difíceis. Tanto que hoje eu pedi ao presidente Michel Temer reforço das Forças Armadas para ajudar nesses próximos dias até depois do Carnaval. É um período em que a cidade está muito cheia", afirmou o governador, nesta segunda-feira, à imprensa, após uma audiência no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o acordo de recuperação fiscal do estado com a União.

Pezão destacou ainda que a Polícia Militar tem trabalhado com 97% do efetivo total "se desdobrando com jogo do Flamengo, praia lotada e blocos de Carnaval desfilando" ao lado da Polícia Civil. Ele ressaltou também que "é muito difícil fazer esse patrulhamento". "A Força de Segurança Nacional já está no Rio de Janeiro há três semanas. A gente quer reforçar cada vez mais o policiamento", afirmou Pezão.

O pedido de reforço foi feito pelo governo do estado no quarto dia de mobilização de mulheres de policiais militares nos batalhões e após a morte de um torcedor no Estádio Nilton Santos, o Engenhão, na Zona Norte do Rio.

Últimas de Rio De Janeiro