Polícia investiga se briga por pontos do bicho motivou morte de Escafura

Segundo agentes, ele trocou seus funcionários e ameaçou tomar locais de jogo na Abolição, Zona Norte

Por O Dia

Rio - Ao sair da condicional no início do ano, segundo investigações da Polícia Civil, o contraventor Haylton Escafura trocou seus funcionários do jogo do bicho e ameaçou tomar outros pontos do jogo na Abolição, Zona Norte.

Filho do bicheiro José Caruzzo Escafura, o Piruinha, Haylton já foi empresário do cantor Belo. Em 2011, ele teria pago R$ 2 milhões para ter os direitos de negociar shows do cantor.  Em 2009, Haylton namorou a ex-BBB Priscila Pires, com quem desfilava em festas de celebridades do Rio.

Haylton Escafura foi morto em quarto de hotel na Barra com onde estava com a policial militar Franciene Soares%2C da UPP da RocinhaWhatsApp O DIA

A movimentação policial na portaria do hotel, na manhã de ontem, chamou a atenção de quem circulava pela região e preocupou hóspedes. A consultora Alessandra Cola, 39, estava no 5º andar e relatou a sensação de pânico quando ouviu os disparos. “Levei um susto, mas pensei que era na rua porque foram muitos tiros. Aqui não tem segurança?”, questionou.

Contraventor e PM mortos em banheiro

Haylton Escafura e a PM Franciene Soares, foram mortos na madrugada de ontem no Hotel Transamérica, na Barra da Tijuca. Eles tentaram se esconder no banheiro para fugir dos assassinos, que arrombaram a porta do apartamento onde estavam. A informação é do delegado Fabio Cardoso, da Delegacia de Homicídios.

Haylton Carlos Gomes Escafura e a PM Franciene Soares foram mortos em hotel da BarraReprodução Internet

“Identificamos disparos de três armas diferentes. Duas pistolas e um fuzil. Agora estamos ouvindo funcionários do hotel e recuperando imagens para tentar traçar a rota de fuga dos assassinos”, disse o delegado.

Ainda de acordo com a polícia, duas pessoas cometeram o crime. A dupla seguiu, mascarada, do estacionamento do hotel até o apartamento de Haylton utilizando as escadas. Outra informação confirmada pela polícia é que, diferentemente do que se acreditava, a porta do hotel onde o casal estava não era blindada.

Apesar de ter porte de arma, o delegado não esclareceu se a Franciene estava armada. “Esses detalhes nós não podemos falar ainda”, disse Cardoso.  Haylton e Franciene foram encontrados mortos por volta das 3h. Ambos foram atingidos por muitos tiros. Eles teriam acabado de chegar de uma festa.

O apartamento onde ocorreu o crime pertencia a Haylton e ele morava no local. Diversas cápsulas de pistola e fuzil foram deixadas nos cômodos da residência.

Franciene Soares era lotada na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha e estava na Polícia Militar desde 2014. Ela era nutricionista de formação e ex-guarda municipal. A PM deixa uma filha de 5 anos.

Haylton foi condenado há 15 anos e quatro meses de prisão em 2012. Segundo o Tribunal de Justiça, ele cumpria liberdade condicional. Os corpos de Haylton e Franciene foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) na tarde de ontem. Ainda não há informações sobre os enterros.

Colaborou o estagiário Rafael Nascimento, sob supervisão da repórter

Últimas de Rio De Janeiro