Por RAFAEL NASCIMENTO

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar uma suposta agressão do lutador de MMA, Marlon Sandro, contra a sua noiva, a gerente de marketing, Tayssa Madeira. A briga teria acontecido após uma discussão de rua, no Catete, na quarta-feira. O caso foi revelado ontem, pelo portal Combate.com.

Por conta da repercussão, o atleta foi expulso do time Nova União, onde era considerado o braço direito de Dedé Pederneiras, um dos precursores do MMA.

Pelas redes sociais, Tayssa relatou que não sabia o motivo de ter sido agredida. Ela contou que foi espancada com chutes, socos no rosto e puxões de cabelo. "Como alguém pode ter a coragem de fazer isso com um ser humano? Até quando monstros como Marlon serão impunes de casos de violência?", escreveu a noiva do atleta.

A gerente de marketing apareceu em fotos na internet com o braço enfaixado e um hematoma no olho. Tayssa tentou registrar o caso na 9ª DP (Catete), mas não conseguiu. Em seu relato, ela alega que um policial se recusou a atender e disse para ela ir a um hospital. A Polícia Civil, em nota, confirmou a ida da gerente à delegacia, mas a orientação era que ela retornasse após atendimento médico, o que não aconteceu até a noite de ontem.

Indagada se tinha sido a primeira vez que apanhou do noivo, Tayssa confessou que já havia sido agredida outras vezes. Marlon também usou as redes sociais para desabafar e escreveu: "daqui para frente que eu (ele) seja melhor".

Marlon é ex-campeão peso-pena dos eventos japoneses Sengoku e Pancrase, teve passagem pelo Bellator, onde foi vice-campeão de dois torneios da mesma categoria. Companheiro de treino de José Aldo, o atleta já esteve no UFC. Ao longo de sua carreira, Marlon teve 28 vitórias, sete derrotas e dois empates.

Você pode gostar
Comentários