Etanol ainda mais competitivo

Pesquisadores brasileiros desenvolvem motor otimizado para a queima do combustível, com consumo equivalente ao proporcionado pela gasolina

Por O Dia

Rio - Já imaginou um motor a etanol rendendo como um a gasolina? Isso já é realidade. Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), coordenados pelo professor e engenheiro mecânico José Guilherme Coelho Baêta, desenvolveram a tecnologia, composta por uma câmara de combustão mais eficiente para o combustível, o principal da matriz energética brasileira.

Motor otimizado para o etanol%3A uma unidade três cilindros 1.0 litros de 185 cv de potênciaDivulgação

Quando estiver no mercado, o benefício não será apenas econômico. Também terá importância ambiental. "Devemos olhar para o ciclo completo da tecnologia para ver o quanto ela é sustentável. A produção das baterias de lítio para veículos elétricos geram emissão de grande quantidade de CO2 na atmosfera. A nossa matriz energética (o etanol) é muito mais limpa do que outras pelo mundo", defende Baêta. O professor também vê na sua câmara de combustão um rumo para a tão questionada autossuficiência na produção de combustíveis. "Precisamos mudar essa postura de seguir pagando por tecnologias importadas, que foram desenvolvidas para os seus países de origem, já que temos a nossa própria base energética", completa.

Desenvolvido em laboratório, o motor criado pelos pesquisadores é um três cilindros 1.0 litro de, creiam, 185 cv, queimando apenas etanol. Comparado com outros propulsores do mercado, o ganho em eficiência atinge 43%, segundo Baêta. O professor ainda destaca que a otimização de componentes tornou a unidade mais leve, o que pode gerar economia no sistema de suspensão dos carros, por exemplo, sem contar que tal potência pode equipar automóveis até então incompatíveis com esta cilindrada. "Imagine um SUV, uma van, com um motor 1.0, o nosso motor tem força para movimentar veículos deste tipo", exemplifica.

Laboratório onde a equipe desenvolveu a câmara de combustãoDivulgação

O estudo também acaba, segundo enfatiza o engenheiro, com o conceito de que o etanol consome 30% a mais se comprado com a gasolina. "O etanol sempre superou a gasolina em termos de eficiência energética. A novidade aqui é a paridade de consumo de combustível", explica Baêta.

Desde 2003, ele trabalha no desenvolvimento de soluções para o combustível vegetal. Com sua equipe na UFMG, começaram os testes em uma unidade monocilíndrica e depois inseriram a câmara de combustão em um propulsor multicilíndrico utilizado no mercado. "Agora, queremos ver um carro rodando com a nossa tecnologia", comenta.

Valorizar a nossa matriz

Em tempos de transição de matriz energética, Baêta acredita que o combustível fóssil tem vida útil pequena cerca de 40 anos. E que no futuro não será possível depender só de sistemas elétricos. Por isso, é preciso desenvolver tecnologia a partir do uso de matrizes energéticas renováveis. "Cerca de 45% da matriz energética de combustível no Brasil vem de fontes renováveis, enquanto que em outros lugares do mundo este índice gira em torno de 11%. Isso nos dá condição para sermos autossuficientes, adaptados à realidade do clima tropical", compara.

O Brasil possui matriz energética completa com etanol%2C que pode gerar autossuficiência de combustívelDivulgação

A tecnologia da câmara de combustão otimizada para o etanol já está concluída. Agora, Baêta e sua equipe buscam apoio do poder público e iniciativa privada para levá-la aos veículos de pequeno e grande porte no país. Ontem, sua viabilidade foi apresentada no Seminário Sobre Etanol Eficiente, organizado pelo Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE), em Jundiaí, São Paulo. "O objetivo é fazer o etanol virar o primeiro combustível do brasileiro. Ficamos atrasados no desenvolvimento de tecnologias nacionais. Precisamos quebrar paradigmas e exportar produtos transformados aqui", conclui.

Últimas de Automania