Em votação simbólica, Senado elege Comissão Especial do Impeachment

Após a instalação da comissão, se inicia o prazo de dez dias úteis para que o relator apresente o parecer sobre a admissibilidade da abertura do processo

Por O Dia

Brasília - O plenário do Senado elegeu nesta segunta-feira os 21 titulares e 21 suplentes da comissão especial que vai examinar o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A instalação oficial do colegiado, com a eleição do presidente, do vice e do relator, está prevista para esta terça-feira, para as 10h. O senador Raimundo Lira é o indicado pelo PMDB para presidir a comissão doimpeachment no Senado.

Os nomes indicados para compor a comissão ainda terão que cumprir uma formalidade: ser aprovados, em sessão deliberativa do Senado, marcada para esta segunda-feira. Em seguida, já na comissão, amanhã, serão eleitos o presidente e o relator. Segundo o Regimento Interno do Senado, caberá ao presidente da comissão indicar o relator. 

Plenário do Senado FederalDivulgação / PT

Após a instalação da comissão, começa a contar o prazo de dez dias úteis para que o relator apresente o parecer sobre a admissibilidade da abertura do processo. O parecer precisa ser votado pelos integrantes do colegiado e a aprovação se dá por maioria simples.

Qualquer que seja o resultado da votação na comissão, a decisão final cabe ao plenário do Senado, que é soberano. No plenário, o parecer da comissão será lido e, após 48 horas, votado nominalmente pelos senadores. Para ser aprovado é necessária a metade mais um dos votos dos senadores presentes, desde que votem pelo menos 41 dos 81 senadores. Por exemplo, se 75 senadores estiverem presentes, serão necessários 38 votos para o processo de impeachment ser aceito na Casa. 

LEIA MAIS:

Renan Calheiros nega pedido para que Dilma e Temer sejam julgados juntos

STF investiga um terço de políticos da comissão de impeachment do Senado

Comissão Especial do Impeachment no Senado

Presidente: Raimundo Lira (PMDB-PB) - indeciso

Relator: Antonio Anastasia (PSDB-MG) - a favor

Bloco da Maioria (PMDB)

Rose de Freitas (PMDB-ES) - a favor

Simone Tebet (PMDB-MS) - a favor

Waldemir Moka (PMDB-MS) - a favor

Dário Berger (PMDB-SC) - a favor

Raimundo Lira (PMDB-PB) - indeciso

Suplentes

Marta Suplicy (PMDB-SP) - a favor

Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) - a favor

João Alberto (PMDB-MA) - contra

Hélio José (PMDB-DF) - a favor

Vaga em aberto - sem manifestação

Oposição (PSDB-DEM-PV)

Antonio Anastasia (PSDB-MG) - a favor

Aloysio Nunes (PSDB-SP) - a favor

Cassio Cunha Lima (PSDB-PB) - a favor

Ronaldo Caiado (DEM-GO) - a favor

Suplentes

Tasso Jereissati (PSDB-CE) - a favor

Ricardo Ferraço (PSDB-ES) - a favor

Paulo Bauer (PSDB-SC) - a favor

Davi Alcolumbre (DEM-AP) - a favor

Apoio ao Governo (PT-PDT)

Lindbergh Farias (PT-RJ) - contra

Gleisi Hoffmann (PT-R) - contra

José Pimentel (PT-CE) - contra

Telmário Mota (PDT-RR) - contra

Suplentes

Humberto Costa (PT-PE) - contra

Fátima Bezerra (PT-RN) - contra

Acir Gurgacz - (PDT-RO) - a favor

João Capiberibe (PSB-AP) - contra (vaga cedida)

Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PCdoB e Rede)

Romário (PSB-RJ) - a favor

Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) - a favor

Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) - contra

Suplentes

Roberto Rocha (PSB-MA) - a favor

Randolfe Rodrigues (Rede-AP) - contra

Cristovam Buarque (PPS-DF) - a favor

Bloco Moderador (PR, PTB, PSC, PRB e PTC)

Wellington Fagundes (PR-MT) - a favor

Zeze Perrella (PTB-MG) - a favor

Suplentes

Eduardo Amorim (PSC-SE) - a favor

Magno Malta (PR-ES) - a favor

Democracia Progressista (PP-PSD)

Ana Amélia (PP-RS) - a favor

José Medeiros (PSD-MT) - a favor

Gladson Cameli (PP-AC) - a favor

Suplentes

Otto Alencar (PSD-BA) - não quis responder

Sérgio Petecão (PSD-AC) - a favor

Wilder Moraes (PP-GO) - a favor

Últimas de Brasil