Polícia resgata nordestinos 'escravizados' que moravam em caminhão

Vítimas, da Paraíba, eram espancadas quando não atingiam as metas de venda estipuladas pelos 'empregadores'

Por O Dia

Porto Alegre - Pelo menos 23 nordestinos eram mantidos em regime de escravidão em uma cidade do Rio Grande do Sul, trabalhando apenas por comida e água. A descoberta foi feita pela Polícia Rodoviária Federal em um posto de combustíveis abandonado em um município do Estado. 

Segundo a PRF, para quitar dívidas contraídas na Paraíba, as vítimas eram obrigadas a vender mercadorias como redes, cintos e carteiras em Lajeado e cidades vizinhas no Vale do Taquari. Além disso, eles eram aprisionados e espancados quando não atingiam as metas estipuladas pelos "empregadores", dois irmãos paraibanos de 42 e 44 anos. A dupla foi presa em flagrante na quarta-feira e encaminhada ao Presídio Estadual de Lajeado.

Em caminhão%2C junto com as mercadorias%2C havia um compartimento onde os nordestinos eram "carregados" Divulgação/PRF

Segundo a imprensa porto-alegrense, as vítimas pegaram, ainda no Estado nordestino, dinheiro emprestado com os irmãos. Como não teriam conseguido pagar, receberam uma proposta de emprego no Rio Grande do Sul. No sul do país, os homens foram escravizados, obrigados a dormir em prédios abandonados e em um caminhão sobre sacos plásticos e pedaços de pano. Segundo a PRF, há indícios de execuções de familiares dos trabalhadores.

A abordagem da PRF, em parceria com a Brigada Militar, Polícia Civil e Ministério do Trabalho e Emprego, aconteceu na última quarta-feira à noite, no km 341 da BR-386, em um posto de combustíveis abandonado. Eles usavam o local para descanso. As 23 vítimas foram encaminhadas para assistência social e as mercadorias e o veículo entregues à Polícia Civil. O nome das vítimas e dos presos não foram divulgados.

Últimas de Brasil