Luis Pimentel: Carioquice e outras bossas

A vida, para ser bem vivida, tem de ser construída com personagens

Por O Dia

Rio - Do diretor teatral Amir Haddad, em mesa de bate-papo no Festival da Guanabara que aconteceu no último fim de semana, em Paquetá (desde já, meus parabéns a Ize, Flávio Aniceto e demais organizadores):

“Não sou carioca, mas tenho muita inveja dos cariocas, gostaria de ser um deles. Eu queria ser Paulinho da Viola.”

De Alfredinho do Bip Bip, no mesmo encontro:

“Nasci em Santa Cruz, vivi em Cosmos e em Bangu. Trabalhei no Centro da cidade, hoje vivo e trabalho em Copacabana. Para mim, o Rio não tem mistérios.”

No mesmo cenário, depois de ver a delicada e inesquecível apresentação voz e violão de Cristina Buarque e Paulo 7 Cordas, pesco na barca da volta, folheando o jornal ‘A Ilha’ (editado pelo craque Ricky Goodwin), essas palavras na coluna ‘Crônicas de Paquetá’, de Julio Marques:

“A vida, para ser bem vivida, tem de ser construída com personagens que vão se eternizando em nossa lembrança.”

Bingo.

Durante uma cerveja por lá, o maestro Paulão contou que Nelson Cavaquinho fora proibido terminantemente de beber, pelos médicos, e os músicos que o acompanhavam se encarregaram de fiscalizar a dieta. No hotel onde se hospedaram, durante temporada de shows, Nelson armou com um funcionário para esconder a garrafa de pinga dentro do sofá que tinha no quarto. E justo nesse sofá ele passava os dias estirado, recebendo amigos, dando entrevistas, tocando seu violão. No começo da noite, claro, invariavelmente estava de porre e com o ar mais inocente do mundo.

De Geraldo Pereira, descartando um cascateiro que se dizia morador de Mangueira e ex-vizinho do compositor no período em que ele viveu no Morro:

“Mostra a chave!”

E depois que o sujeito mostrou:

“Que é que há, mermão?! Quem mora em barraco não tem chave Yale.”

De Antonio Maria para Vinicius de Moraes, depois de saírem de boate em Copacabana, manhãzinha, e se depararem com o pessoal que fazia exercícios na areia:

“Vina, prometa que nunca vou ver você fazendo uma coisa dessas!”

Da cantora Elza Soares, em entrevista a mim para a revista ‘Música Brasileira’, feita há muito tempo, mas bem a propósito para os dias de hoje:

“Sou vitoriosa quatro vezes: negra, mulher, pobre e gostosa! Bebi das lágrimas mais amargas da vida, meu filho. Sei bem o gosto que elas têm.”

Contam que Graciliano Ramos, durante o período em que suou a camisa de linho na mesa de revisor e copidesque do ‘Correio da Manhã’, sofreu um bocado com os textos destrambelhados ou pretensiosos que caíam em suas mãos. E que um dia o ouviram resmungando, depois de meter a caneta na lauda já escrita por algum repórter: “Outrossim?! Outrossim? Outrossim é a puta que o pariu!”

Últimas de Diversão