Votação do piso regional inclui mais oito categorias

Texto-base prevendo o reajuste de 8% já havia sido aprovado na semana passada e ontem plenário votou as emendas ao projeto

Por O Dia

Rio - A Alerj concluiu nesta terça-feira a votação do reajuste de 8% do piso regional retroativo a 1º de janeiro. O projeto aumenta o salário de mais de 170 categorias de trabalhadores da iniciativa privada e recebeu ontem emendas incluindo algumas classes que estavam fora da proposta original. O texto segue agora para sanção do governador Luiz Fernando Pezão.

Foram incluídas mais oito categorias: profissões como catadores de materiais recicláveis (faixa I); mototaxistas, merendeiras, auxiliares de creche e artesãos (faixa II), e agentes de saúde e endemias, monitores escolares e guarda parques com curso de formação (faixa III). Com isso, as seis faixas salariais terão valores entre R$ 1.136,53 e R$ 2.899,79.

A proposta inicial do governo estadual previa reajuste de 7,53%, acima da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 6,29%. Já os sindicatos que representam os trabalhadores reivindicam uma correção maior, de 8,30%.
Diante desse impasse, os líderes partidários entraram em acordo para reajuste de 8%, levando em conta a inflação do mês de janeiro.

JORNALISTAS DE FORA

O texto original deixou jornalistas de fora e o presidente da Comissão de Trabalho da Alerj, deputado Paulo Ramos (Psol), apresentou emenda para inclusão da categoria. Mas o aditivo não foi acolhido e foi rejeitado por 31 votos a 21.

“Esse é um direito que deveria ser garantido aos jornalistas”, declarou. Já os deputados que rejeitaram alegavam que o reajuste da categoria só deve ser criado mediante acordo coletivo entre patrões e sindicato.

Últimas de Economia