Estado Islâmico reivindica ataque em boate de Orlando

Em áudio divulgado nesta segunda-feira grupo terrorista afirmou que Omar Mateen, era como um 'soldado do califado'

Por O Dia

Flórida - O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicoua responsabilidade, nesta segunda-feira, pelo ataque a tiros, feito nesse domingo, que deixou ao menos 50 mortos em uma boate gay em Orlando, na Flórida, em transmissão na rádio oficial do grupo radical, "Al bayan". A mensagem qualificou Omar Mateen, o suspeito de ser o autor do ataque, como um "soldado do califado".

LEIA TAMBÉM: Polícia começa a divulgar nome dos mortos em tiroteio em Orlando

Obama classifica massacre de Orlando como 'ato de terrorismo e ódio'

Ataque a boate gay em Orlando deixa cerca de 20 mortos e vários feridos

Omar MateenReprodução / Facebook

"O irmão Omar Mateen, um soldado do califado, realizou uma incursão de segurança com a qual conseguiu irromper o clube noturno de homossexuais de Orlando, matando e ferindo mais de cem antes de ser assassinado", disse o EI através da sua emissora de rádio.

O EI afirmou que "Deus permitiu -- a Mateen -- atacar os imundos cruzados" e destacou que este atentado é "o maior registrado nos EUA pelo número de mortos".

Esse é o pior ataque a tiros da história dos EUA e que foi qualificado pelo presidente Barack Obama de "ato de terrorismo e ódio". De acordo a imprensa americana, Mateen expressou sua lealdade ao EI em um telefonema para o número de emergência 911 pouco antes do ataque.

Oficialmente, as autoridades americanas ainda investigam a motivação do ataque e não confirmaram uma ligação direta do atirador com o grupo terrorista.

Em entrevista à imprensa, um porta-voz do FBI confirmou que a agência norte-americana acompanhava o atirador por suspeitas de laços com grupos extremistas. 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência