Grécia pede novo empréstimo e promete reformas imediatas

Caso não seja alcançado um acordo, Atenas corre o risco de deixar a moeda única e provocar uma crise no sistema

Por O Dia

Atenas - A Grécia enviou uma carta ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM, na sigla em inglês) pedindo uma nova ajuda financeira de três anos, sem especificar valores, e se comprometeu a realizar reformas no sistema financeiro e previdenciário. Fontes do ESM confirmaram nesta quarta-feira que receberam o documento.

Uma reunião de representantes dos ministros das Finanças da zona do euro deve analisar ainda nesta quarta o pedido grego, podendo dar seguimento ou não aos técnicos da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE) na avaliação da situação econômica e financeira de Atenas e da sustentabilidade da dívida, necessária para a verificação de condições para o resgate.

A carta diz que o governo vai começar a implementar algumas medidas das reformas exigidas pelos credores na semana que vem.

Premiê grego%2C Alexis Tsipras%2C em debate sobre a Grécia no parlamento europeu Reuters

O documento também garante que o país cumprirá suas obrigações financeiras com os credores de "forma plena e no tempo". Por fim, Atenas pediu um alívio da dívida. "Como parte de uma discussão mais ampla a ser realizada, a Grécia acolhe bem a oportunidade de explorar as potenciais medidas a serem tomadas para que a sua dívida se torne sustentável e viável a longo prazo".

A Grécia deve apresentar nesta quinta-feira os detalhes das reformas financeiras e previdenciárias aos seus credores da zona do euro, que deram um prazo até domingo para as negociações. Caso não seja alcançado um acordo, Atenas corre o risco de deixar a moeda única e provocar uma crise no sistema do bloco.

As negociações entre Atenas e seus credores ocorriam há semanas, mas foram interrompidas após o governo convocar um referendo para que os gregos decidissem se aceitavam ou não as medidas de austeridade.

Com a vitória do "não", o país tenta renegociar as condições do empréstimo. Ontem, em Bruxelas, Tsipras fez uma apresentação oral das intenções da Grécia e pediu a liberação emergencial de 7 bilhões de euros.
Sem dinheiro, a Grécia se tornou na semana passada o primeiro país desenvolvido a dar um calote no FMI, deixando de pagar uma parcela de 1,6 bilhão de euros. Além disso, o país tem até 20 de julho para quitar uma prestação de 3,5 bilhões de euros devida ao BCE. Se sofrer um calote, a instituição não poderá mais socorrer os bancos gregos com seu programa de liquidez. (ANSA)

Últimas de _legado_Mundo e Ciência