Mulher que pichou estátua de Drummond: 'Estava deprimida'

Mel confessou ter pichado ainda, junto com o namorado, o monumento de Estácio de Sá e o de Zózimo do Amaral

Por O Dia

Rio - Um dia após ser identificada como a mulher flagrada por câmeras de segurança da Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, enquanto pichava a estátua do poeta Carlos Drummond de Andrade na noite de Natal, July Bernardes Vasconcellos Reis, a Mel, de 29 anos, se apresentou à polícia.

Na noite desta quinta-feira, ela foi à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) com o advogado e o namorado, o comerciante mineiro Pablo Lucas Faria, também identificado como pichador da estátua. Após o depoimento, Mel foi liberada. Os dois podem pegar até três anos por crime ambiental e concurso material (pela repetição dos casos de pichação).

July foi indiciada por prática de crime ambiental e poderá pegar até três anos de cadeiaDivulgação

Ela contou a mesma versão apresentada pelo companheiro na última segunda-feira. Assim como Pablo, ela disse ter cometido os atos de vandalismo por estar deprimida. E confessou, ainda, ter pichado as estátuas de Zózimo Barroso do Amaral, no Leblon, e o monumento a Estácio de Sá, no Flamengo, na noite de Natal.

“Foi fundamental o trabalho da 13ª DP (Ipanema). Com a identificação e a divulgação da foto, ela se sentiu pressionada, procurou o mesmo advogado do Pablo e se entregou, admitindo o crime”, disse o delegado José Fagundes de Rezende.

Mel também responde a inquéritos por homicídio, tentativa de homicídio e lesão corporal. Em investigação feita pela 24ª DP (Piedade), a polícia chegou a pedir a prisão preventiva dela, acusada de envolvimento no homicídio da babá Fernanda Ferreira da Silva, em 12 de março de 2007, na Rua Assis Carneiro, em Piedade.

Entretanto, o pedido foi negado pelo Ministério Público, que solicitou uma acareação entre Mel e o companheiro dela na época, Rodrigo da Silva Azevedo, o Digo, também indiciado pelo crime. A vítima foi morta a machadadas por homens armados, que invadiram a casa onde ela morava. Cristiano Souza Sales, namorado de Fernanda, foi baleado nas costas, mas sobreviveu.

O desentendimento foi desencadeado por uma dívida de apenas R$ 15 com a vítima, contratada para cuidar da filha de Mel e Digo. Sem receber, Fernanda invadiu a casa de Mel e levou uma televisão. Um mês antes da morte, Mel e Digo foram flagrados por testemunhas enquanto desciam de uma moto para agredir a babá. Na época, Mel confessou à polícia ter se queixado da atitude de Fernanda a traficantes da área, que teriam sido os responsáveis pela execução.

Últimas de Rio De Janeiro