Polícia investiga se morte de dono de hostel foi passional

Corpo do iraniano naturalizado sueco foi encontrado com coronhada por funcionários

Por O Dia

Rio - O assassinato do iraniano naturalizado sueco Millad Mille Hosseini Ballai, de 34 anos, sócio de um hostel no Morro do Vidigal, ainda é um mistério para agentes da Divisão de Homicídios. Estão sendo analisadas diversas hipóteses para o crime, que ocorreu na manhã de sábado. Entre elas, segundo a polícia, a morte pode ter sido motivada por um relacionamento interpessoal.

Hostel onde a vítima foi encontrada por funcionários no sábadoDivulgação

O corpo de Mille Ballai foi encontrado dentro do estabelecimento apenas à noite por funcionários. A Polícia afirmou ainda que o estrangeiro não foi alvo de disparos de arma de fogo e que a morte ocorreu por uma lesão na parte de trás da cabeça.

LATROCÍNIO, OUTRA HIPÓTESE
Mas a suspeita de latrocínio — roubo seguido de morte — ainda não foi descartada pela polícia, que ainda aguarda o resultado dos laudos da perícia

“Embora não tenha características de latrocínio, não podemos descartar nada. Encontramos vários objetos de valor no local”, garantiu o delegado assistente da DH, Henrique Damasceno.

Mesmo que ainda não esteja descartada, a possibilidade do estrangeiro ter envolvimento com drogas, agentes afirmam que a hipótese é mínima.

Policiais estão analisando as imagens das câmeras de segurança do hostel para ajudar a desvendar o caso e testemunhas já foram ouvidas.
Segundo agentes da Divisão de Homicídios, Millad Mille morava há um ano no Brasil e há 3 meses comandava o hostel. Ele teria sido escolhido pelos donos do local para controlar os negócios enquanto eles viajavam para o exterior.

Últimas de Rio De Janeiro