Três Rios aposta em modelo de desenvolvimento para grandes e pequenas empresas

Prefeito Vinícius Farah faz balanço das ações que levaram a cidade a elevar sua receita de R$ 94 milhões para R$ 340 milhões em sete anos

Por O Dia

Rio - Empresário do ramo de confecções e de franquia de alimentação, Vinícius Farah (PMDB) cumpre o segundo mandato como prefeito de Três Rios, cidade com 115 mil habitantes no Centro-Sul Fluminense, a 126 km da capital, e quer terminar o governo consolidando o modelo de desenvolvimento econômico que implementou na cidade há seis anos, com base no apoio a empresas de todos os portes. 

Em 2009%2C o orçamento da cidade era de R%2479 milhões e em 2015 foi para R%24340 milhõesMárcio Mercante / Agência O Dia

No ano passado, Vinícius Farah recebeu do Sebrae-RJ, pela segunda vez, o Prêmio Prefeito Empreendedor , como reconhecimento pelas ações que criou na cidade, que estimulam o empreendedorismo e pequenos negócios. Desde que assumiu o cargo, 1.978 empresas se instalaram no município, gerando 10.300 empregos e, na semana passada, a multinacional General Electric anunciou a abertura de uma unidade na cidade, com investimento de R$ 200 milhões e criação de 200 postos de trabalho para fabricar turbinas de avião.

Essas e outras ações fizeram com que Três Rios figurasse no ranking das 50 melhores cidades brasileiras com investimentos em saúde, educação e área digital, de acordo com pesquisa encomendada pela revista 'Isto É' à empresa de consultoria Austin Ratings.

O DIA: Como foi realizada essa pesquisa e por que Três Rios se destacou? 

Vinícius Farah: Fomos destaque em saúde e educação e em gestão digital. A pesquisa aconteceu nos últimos dois anos. Os pesquisadores examinaram informações do Tribunal de Contas da União, do Tribunal de Contas do Estado e do Portal da Transparência. Nós não sabíamos desse levantamento e fomos avisados apenas 15 dias antes da divulgação do resultado. Para um município que há sete anos era considerado um dos piores do estado em desenvolvimento econômico, acho que estamos no caminho certo.

Quais foram as mudanças implementadas em seu governo?

Assumi a prefeitura em 2009 com orçamento de R$ 79 milhões. E o orçamento deste ano foi de R$ 340 milhões. Não existe nenhuma cidade no Brasil que, proporcionalmente, tenha crescido dessa maneira. Para 2016, nosso orçamento será de R$360 milhões, o que é um fato raro, diante da crise. O que prova que o modelo de desenvolvimento em que apostamos é eficaz.

Que modelo é esse implementado pela Prefeitura de Três Rios?

Construímos nosso desenvolvimento num modelo que engloba as grandes, médias, pequenas e microempresas e os microempreendedores individuais (MEIs). Não apostamos num único segmento. Estendemos o mesmo tapete vermelho para a Nestlé e para a dona Maria, que queria montar uma empresa na garagem dela. Quando um perde, o outro cresce e isso movimenta nossa economia. Esse modelo gerou emprego e renda. Aumentamos as receitas do ISS, ICMS e do IPTU. É uma cidade que não para de crescer, com vários empreendimentos comerciais e residenciais.Nos últimos três anos surgiram 3.380 MEIs em Três Rios, uma média de 1.100 por ano. 

A prefeitura está qualificando os trabalhadores da cidade?

Sim. Temos três escolas municipais que, à noite, oferecem cursos técnicos. Contamos ainda com um CVT (Centro Vocacional Tecnológico), mas que atende à região, formando 6 mil pessoas por ano e temos uma parceria com a Firjan. Os moradores estão fazendo cursos na Firjan para poderem se candidatar a essas vagas na General Electric, que são altamente qualificadas. Nosso índice de desemprego não chega a 4%. 

O que a prefeitura realizou na área da saúde para merecer destaque na pesquisa?

O orçamento da área era de R$ 10,8 milhões em 2009. Ano passado, investi R$ 91 milhões na saúde. São oito vezes mais investimentos no setor. Tínhamos 630 funcionários e agora temos 1.400. As unidades básicas de saúde dão cobertura total aos moradores. Tenho a terceira maior UPA do estado e cumpri todas as ações públicas de saúde que o Ministério da Saúde exige. TAtender aos requisitos do Ministério nos qualifica para ter o direito de receber uma faculdade de Medicina na cidade, a partir de 2016. Além de nós, apenas Angra dos Reis cumpriu essa exigência do ministério. 

Quais foram as ações relevantes na área de educação?

Todo gestor entra cheio de sonhos, mas a gente só transforma sonhos em realidade quando tem recursos financeiros para fazer acontecer. Pegamos o município no número 60 do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e, no ano passado, chegamos ao número 20. Nossa meta é ano que vem estar entre as 10 melhores no Ideb.

Como pretende fazer isso?

Aumentamos em 60% o número de professores da rede, qualifiquei esse professorado. Peguei um Ciep que estava obsoleto e transformei numa creche que atende 625 crianças em regime integral, das 7h às 18h. Tenho cinco creches no total, mas só essa com esse modelo, chama-se Planeta Criança, e onde as mães também têm transporte gratuito. Em outro Ciep funciona a primeira escola municipal em regime integral, com 1.100 alunos. E num terceiro, chamado Planeta Cidadão, 1.500 estudantes de 16 a 28 anos fazem curso técnico para se inserir no mercado de trabalho.

E quais são os desafios para o próximo ano?

Meu desafio é consolidar todas as ações no projeto Três Rios Cidade Feliz. Porque o cidadão com qualificação profissional, com emprego, que tem resultados positivos na vida, é uma pessoa feliz. Esse é o fechamento do ciclo. Desburocratizei a cidade para que mais pessoas pudessem se tornar empreendedoras e ingressassem nessa cadeia econômica. Além disso, somos uma cidade pólo, várias outras dependem de nós.

Colaborou a estagiária Marcelle Abreu

Últimas de _legado_O Dia no Estado