Fernando Scarpa: Cobra não tem mão que possa ser algemada

Lula deveria ter sido conduzido ao Butantã ou ao Instituto Vital Brazil

Por O Dia

Rio - Com certeza, a condução coercitiva de Lula foi um erro por parte do juiz Sérgio Moro e da Polícia Federal. Não se espante com a afirmação: esses poderes tratam de coibir, investigar, condenar e punir seres humanos, não serpentes. Ele deveria ter sido conduzido ao Butantã ou ao Instituto Vital Brazil. Isso seria o certo, pena que o ex-presidente, só depois do fato, enlouquecido, se autodefiniu como jararaca.

A ‘serpente’, com todo o direito e convicção, falava de si na terceira pessoa, abria mão da condição humana, quase reclamando que foi conduzido para o órgão errado — perdoem a brincadeira. Ainda brincando, corremos o risco de ser o único país do mundo a ter uma jararaca como ministro. Queria sair de casa algemado, o que causaria problema técnico à PF. Afinal, como algemar uma cobra?

O desrespeito a si mesmo, a nação e ao Judiciário revelam o modo como conduziu o dinheiro publico e o país: inconsequente e fanfarrão. Deve estar adoecido mentalmente. Caso contrário, não protagonizaria cena como aquela. A metáfora é tosca, inadequada, constitui grave distorção de si e da realidade em que se encontra, bem como indevida para quem se declara inocente.

Não se conhece filho de brasileiro que enriqueceu de forma tão rápida como o do ex-presidente e, no entanto, tudo é tratado de forma cínica e natural: todos sabem que não é bem assim. Nesse caminho, lá vai ele distorcendo a realidade, banalizando os fatos e descredenciando os poderes.

O ex-presidente nunca se negou a depor? Mentira! Semanas atrás entrou com medida judicial suspendendo sua ida à Justiça com a mulher. Não escutam nada nem ninguém, somente a voz louca do inconsciente, que nega a realidade dos fatos e o dano causado à nação durante a ditadura do PT, que, delirante, sonha retornar.

Para mim e os outros brasileiros que acompanham este fato histórico, ficou bem claro o sentido da condução coercitiva: evitar tumulto, preservar a ordem pública e o direito do trabalhador de circular em direção ao trabalho, sem quebra-quebra nas ruas.

Estas foram preocupações com que o ex-presidente e seu partido não se preocupam, insistem na distorção de que ele nunca se recusou a depor. Fica a revelação e a lição: em relação à cabeça, é oca, raivosa e vingativa. Quanto ao rabo, após a paulada, deve estar doido. É esperar para ver...

Fernando Scarpa é psicanalista

Últimas de Opinião