Sindicato tenta impedir retaliação a rodoviários que aderiram à 'Greve Geral'

As empresas estavam impedindo que os grevistas retornassem às suas funções; juíza fixou multa diária de R$1.000 por funcionário prejudicado

Por O Dia

Rodoviários grevistas estavam sendo impedidos pelas empresas de retornar ao trabalhoPaulo Carneiro / Agência O Dia

Rio - O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro (Sintraturb Rio) conseguiu, na noite de ontem, uma liminar para impedir que os rodoviários que aderiram à Greve Geral da última sexta-feira sejam punidos. Segundo Sebastião José, presidente do sindicato, profissionais de diversas empresas estavam sendo impedidos de retornar às suas funções como retaliação por terem aderido à paralisação.

A decisão da juíza Neila da Costa Mendonça, da 76ª Vara do Trabalho, que deferiu a favor do Sintraturb, fixou uma multa diária de R$1.000 por cada empregado impedido de entrar em seu dia de escala. Segundo Sebastião José, além dos grevistas, rodoviários que não conseguiram chegar na empresa no horário estavam sendo punidos: "Muitos profissionais foram coagidos e ameaçados de perderem o emprego caso participassem do movimento, isso sem contar aqueles que foram obrigados a dormir nas empresas. Uma verdadeira falta de bom senso dos empresários, que durante anos vêm tratando a categoria em um regime de escravidão", indignou-se. 

Ele disse ainda que o sindicato pretende abrir negociações de reajuste salarial. O sindicato defende que as negociações devem ser feitas apesar do bloqueio da tarifa decidido pela Prefeitura. "Se as tarifas não são reajustadas, isso é um problema entre as empresas e a prefeitura. Não temos nada com isso", declarou o presidente do sindicato. "Vamos pedir um aumento de 10% no salário, além de acréscimo no valor da cesta básica e um plano de saúde", completou. 

Últimas de Rio De Janeiro