Hospital Federal de Ipanema comemora 62 anos com três novos serviços

Unidade passa a realizar cirurgias mais avançadas para retirada de tumor de câncer de bexiga e de rim, além de transplantes de córneas

Por O Dia

Rio - O Hospital Federal de Ipanema (HFI) completa 62 anos no próximo dia 30 com novos serviços para a população: a retomada dos transplantes de córneas, o início das cirurgias de videolaparoscopia para a retirada de cânceres e outros tumores de bexiga e de rim, e a implantação de um centro ortopédico de joelho e quadril.

O avanços vêm de encontro à reestruturação dos hospitais federais coordenada pelo Departamento de Gestão Hospitalar (DGH), que prevê a ampliação do serviço de média e alta complexidade assistencial. Na ação, é previsto o aumento de 20% do atendimento de oncologia, ortopedia e cardiologia na rede hospitalar - além do HFI, também formada pelos hospitais federais do Andaraí, da Lagoa, dos Servidores do Estado, Cardoso Fontes e de Bonsucesso.

O primeiro paciente deste novo ciclo de transplantes de córnea no hospital, o porteiro Waltierlhison Amaral da Silva, 20 anos, operou o olho esquerdo no último dia 5 de outubro. “A cirurgia foi um sucesso. Antes, eu não conseguia enxergar nada, agora já vejo embaçado e, daqui a um tempo, minha visão vai melhorar ainda mais”, comemora. “Fui liberado do hospital um dia depois do transplante, após fazer todos os curativos. Não sinto incômodo nem dor”.

A coordenadora assistencial da unidade, Claudia Machado, explica que as córneas utilizadas nos transplantes do HFI vêm do Banco Multitecidos do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (INTO), também pertencente à rede Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, e aponta que há a tendência de aumento do fluxo de cirurgias desse tipo. O HFI já está recebendo pacientes tratados em outros hospitais da rede, como o da Lagoa e dos Servidores do Estado, para a realização dos transplantes.

Já a videolaparoscopia para a retirada de tumores é um tipo avançado de cirurgia, na qual microcâmeras são introduzidas no corpo do paciente, gerando imagens em computador. O serviço teve início no último mês de setembro, mas agora passaram a ser utilizadas para tratar cânceres. A técnica permite a realização de cirurgias sem cortes extensos. Responsável pelo setor de Uro-oncologia do HFI, Lessandro Curcio explica que a técnica diminui o tempo de cirurgia, o sangramento do paciente e a dor no período pós-operatório, além de propiciar uma recuperação mais ágil do paciente.

“Estes novos serviços atendem uma demanda reprimida no estado do Rio de Janeiro e estão no rol de cirurgias de alta complexidade definidas pelo Ministério da Saúde para o Hospital Federal de Ipanema. Entre elas, há a cirurgia de quadril e joelho, também de alta complexidade, e o incremento das cirurgias oftalmológicas”, ressalta o diretor do HFI, Benito Accetta.

Entre os procedimentos de alta complexidade no HFI, ainda se destacam: cirurgias para retirada de tumores altamente agressivos de pâncreas; de endometriose profunda; de correção de incontinência urinária em mulheres com a colocação de slim; plásticas reparadoras com implantes de próteses depois de mastectomias radicais; cirugias bariátricas por vídeo; e de câncer de próstata.

Últimas de Rio De Janeiro