Por O Dia

Não tem jeito: o vídeo está tomando conta da internet, e as grandes marcas anunciantes não podem mais abrir mão de investir nessa mídia. Hoje, 60% de tudo que circula no ciberespaço são vídeos — ótimos concorrentes, aliás, para a decadente programação normal... Também não é por acaso que as redes de TV estão cada vez mais preocupadas com a audiência, que vai migrando para a web ano a ano.

Agora mesmo a Shutterstock, em parceria com a comScore, está divulgando (em vídeo, claro) alguns números importantes do setor no nosso mercado. Diz que, somente no último mês de janeiro, 68 milhões de brasileiros assistiram a 11 bilhões de vídeos online — sendo que um sexto desse total o fez em aparelhos móveis. Com 200 milhões de habitantes, temos 105 milhões com algum tipo de acesso à internet. E somos usuários pesados da rede: segundo o Ibope, cada internauta brasileiro fica conectado à rede durante 43 horas e 57 minutos por mês — mais até do que EUA e Japão.

É por conta desses e de outros números generosos que a PricewaterhouseCoopers estima o crescimento de 91% da publicidade online brasileira entre 2013 e 2017, enquanto a TV aberta deve ficar com 52% de aumento.

Só pra comparar: nos EUA, 190 milhões de americanos (61% da população) assistiram a 397 vídeos online, em média, em janeiro. Desse total, 143 eram anúncios.

DÁ UMA FORCINHA, PAES

Entra ano, sai ano, e o PL 491/2009 continua sem ser votado. Ele prevê a redução do ISS de 5% para 2% em algumas atividades de Tecnologia da Informação no município, incluindo análise e desenvolvimento de sistemas; programação; elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas; serviço de intermediação do licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computador. O setor emprega 50 mil pessoas no Rio e poderia crescer muito. A batalha pela redução do imposto já se arrasta desde 2005. Mas os vereadores não se tocam de que temos que correr urgentemente atrás da concorrência.

Meridiste: um celular para poucos

Coisa fina. A TAG Heuer, que dispensa apresentações, acaba de apresentar o celular Meridiste Infinite. A empresa garante que a bateria do aparelho é perpétua, o que será fantástico para todo o mercado, se funcionar mesmo.  O segredo, diz a Tag Heuer, é um componente fotovoltaico que absorve luz — solar ou artificial, tanto faz — responsável pela recarga automática. O aparelho é feito em fibra de carbono e titânio, tem câmera etc e tal. No fim das contas, nem deve ser grande coisa (até porque é apenas um celular), mas é da grife TAG Heuer.  Que, mui espertamente, vai produzir apenas 1.911 unidades do celular. Ou seja, vai se tornar uma disputada peça de colecionadores tarados pela marca. E o preço ainda não foi divulgado. Na experiência anterior no mercado de telefonia celular, com o Link Phone, o preço era de US$ 6.700.

O Samsung Galaxy S5 está chegando

O Galaxy S5 chegará às lojas no Brasil no próximo sábado.  Preço sugerido: R$ 2.599.  É uma grana. Não por acaso,  as operadoras já abriram as listas para pré-venda do aparelho, que tem tela touch de 5.1 polegadas, processador Qualcomm Snapdragon 801 Quad-Core rodando a 2.5 GHz, câmera de 16 MP e gravação de vídeos em 4K.

Em busca das vulnerabilidades

Alô, programadores: Internet Bug Bounty Program vai premiar, com até US$ 5 mil, os fuçadores que encontrarem vulnerabilidades na rede. O projeto conta com o suporte de Microsoft, Facebook e Google. Pra quem conhece, vale a pena conferir em https://hackerone.com/.


Últimas de _legado_Notícia