Imunização de idosos: estado e município não se entendem

Por O Dia

Vacinação em Niterói. No Horto Florestal de Niterói, pessoas são tranquilizadas sobra a doença e se já tomaram a dose da vacina contra a febre amarela.Personagem, Maria José de Souza Fraga.
Vacinação em Niterói. No Horto Florestal de Niterói, pessoas são tranquilizadas sobra a doença e se já tomaram a dose da vacina contra a febre amarela.Personagem, Maria José de Souza Fraga. - Estefan Radovicz/Agência O Dia

Diante do novo quadro de febre Amarela, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) passou a recomendar que pessoas com mais de 60 anos passem a ser imunizadas. Entretanto, continua a dúvida de como os idosos devem proceder.

Em nota, a SES informou que devem tomar as doses de vacina fracionadas (que começam a ser distribuídas dia 25) "pessoas com mais de 60 não vacinadas, após avaliação de serviço de saúde". Entretanto, quando questionado sobre como será feita essa avaliação, o órgão informou que cabe aos municípios definirem os procedimentos.

Na cidade do Rio, no entanto, a prefeitura ainda não recomenda a vacinação dos idosos. "A vacina da febre amarela é feita com vírus vivo e tem contraindicações importantes. Idosos, por terem normalmente imunidade mais frágil (...), estão mais sujeitos a sofrer efeitos adversos. Por isso, em regiões sem a presença do vírus em circulação, como a cidade do Rio de Janeiro atualmente, a vacina não é indicada para pessoas de 60 anos para cima", afirmou a Secretaria Municipal de Saúde, acrescentando que a recomendação pode mudar após nova avaliação.

O infectologista Edmilson Migowisk, professor da UFRJ, explica que os protocolos devem mudar de acordo com a evolução do cenário. Ele orienta a vacinação para todos os idosos em locais que tiveram casos de macacos contaminados. "A vacinação se mostra estritamente importante em locais com intensa circulação do vírus. Nesse momento, o idoso deve se vacinar depois de fazer avaliação médica", afirma Migowisk, lembrando que a taxa de mortalidade da doença pode chegar a 50%.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro