Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos
Dilma Rousseff diz que relatório da Comissão da Verdade não é 'acerto de contas'
Publicidade

Dilma Rousseff diz que relatório da Comissão da Verdade não é 'acerto de contas'

Emocionada, a presidenta disse que 'mereciam a verdade aqueles que perderam familiares, parentes, amigos, companheiros e que continuam sofrendo'

Por monica.lima
Brasília - Visivelmente emocionada, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira, durante a divulgação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que o país devia isso à gerações que sofreram as terríveis consequências da ditadura militar, mas alertou que o texto não pode servir para revanchismo.
"As novas gerações mereciam a verdade", disse Dilma. "Sobretudo, mereciam a verdade aqueles que perderam familiares, parentes, amigos, companheiros e que continuam sofrendo", continuou a presidente pouco antes de começar a chorar e ser aplaudida pela plateia
Publicidade
"Continuam sofrendo como se eles morressem de novo e sempre", concluiu Dilma após o choro.
A comissão, que trabalhou 31 meses, analisou documentos, colheu depoimentos de familiares e pessoas que foram perseguidas durante o regime militar --que durou de 1964 a 1985-- e também ouviu militares e agentes de segurança daquela época para tentar reconstruir o período ditatorial e apontar responsabilidades.
Publicidade
"Nós devemos isso às gerações como a minha que sofreram suas terríveis consequências e, sobretudo, devemos isso à maioria da população brasileira que nascida após o último regime autoritário não teve acesso integral à verdade histórica", disse a presidente.
O relatório tem três volumes e será disponibilizado na íntegra na Internet (http://www.cnv.gov.br).
Publicidade
O relatório conclui que houve crime contra a humanidade na ação do regime militar.
"(O relatório) conclui que houve graves violações de direitos humanos, que elas se deram de maneira sistemática a partir de uma política de Estado, que o regime militar adotou, e que isso configura a partir dos critérios jurídicos do direito brasileiro e do direito internacional crime contra a humanidade", disse o coordenador da comissã5.51,0,0,1,54,21.12,2.4,2.4,0,0,1,54.61,22.79Z"/>
Por monica.lima
Brasília - Visivelmente emocionada, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira, durante a divulgação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que o país devia isso à gerações que sofreram as terríveis consequências da ditadura militar, mas alertou que o texto não pode servir para revanchismo.
"As novas gerações mereciam a verdade", disse Dilma. "Sobretudo, mereciam a verdade aqueles que perderam familiares, parentes, amigos, companheiros e que continuam sofrendo", continuou a presidente pouco antes de começar a chorar e ser aplaudida pela plateia
Publicidade
"Continuam sofrendo como se eles morressem de novo e sempre", concluiu Dilma após o choro.
A comissão, que trabalhou 31 meses, analisou documentos, colheu depoimentos de familiares e pessoas que foram perseguidas durante o regime militar --que durou de 1964 a 1985-- e também ouviu militares e agentes de segurança daquela época para tentar reconstruir o período ditatorial e apontar responsabilidades.
Publicidade
"Nós devemos isso às gerações como a minha que sofreram suas terríveis consequências e, sobretudo, devemos isso à maioria da população brasileira que nascida após o último regime autoritário não teve acesso integral à verdade histórica", disse a presidente.
O relatório tem três volumes e será disponibilizado na íntegra na Internet (http://www.cnv.gov.br).
Publicidade
O relatório conclui que houve crime contra a humanidade na ação do regime militar.
"(O relatório) conclui que houve graves violações de direitos humanos, que elas se deram de maneira sistemática a partir de uma política de Estado, que o regime militar adotou, e que isso configura a partir dos critérios jurídicos do direito brasileiro e do direito internacional crime contra a humanidade", disse o coordenador da comissãdiv class="chapeu">
Publicidade
escolha do editor
Publicidade
mais notícias