Débora Bloch diz ter pontos em comum com Lígia, sua personagem em 'Sete Vidas'

'Me identifico com as questões da mulher moderna, que tem que trabalhar, dar conta da família, de tudo', compara

Por O Dia

Débora Bloch é Lígia da novela 'Sete Vidas'Divulgação

Rio - ‘Paixão antiga sempre mexe com a gente, é tão difícil esquecer, basta um encontro por acaso e pronto, começa tudo outra vez...” O sucesso dos anos 90 na voz de Tim Maia não embala a história de amor protagonizada por Débora Bloch e Domingos Montagner em ‘Sete Vidas’, mas se encaixaria como uma luva para o casal. Apaixonada por Miguel, Lígia sempre dá mais uma chance ao oceanógrafo, um cara que, por um trauma do passado, tem dificuldade em estabelecer laços afetivos e, por isso, é resistente à ideia de formar uma família tradicional. “O Miguel toda hora vai embora, e ela continua insistindo. É uma paixão mesmo. Mas ele é meio difícil de segurar”, diz Débora.

Nada que desanime a jornalista da novela das 18h. Do ponto de vista da atriz, Lígia se encontra em um lugar que não lhe permite separar razão de emoção. “Quando você está apaixonado, não consegue ver com distância o que realmente está acontecendo e sempre quer acreditar que aquilo vai dar certo. Faz parte do estado da paixão, do amor”, comenta.

E será que um final feliz de Lígia e Miguel faz parte do show de ‘Sete Vidas’? “No folhetim, o público sempre tende a torcer para o amor idealizado, para o príncipe, que no caso seria o Miguel. Mas o Miguel é totalmente sapo. Aliás, todos são sapos (risos). Não sei se a Lígia vai fazer o que o público espera. Não sei se vale a pena insistir enquanto ainda tem amor. Cada caso é um caso”, observa. E se o destino, leia-se a autora Lícia Manzo, optar por deixar o casal separado no último capítulo, que vai ao ar dia 10 de julho, ainda assim nem tudo estará perdido para Lígia, que tem o ex-marido, Vicente (Ângelo Antônio), correndo por fora. “O Vicente é um amor mais real, possível, viável”, explica.

Solteira, Débora, 52 anos, não vive o dilema amoroso de Lígia, mas tem pontos em comum com a personagem. “Me identifico com as questões da mulher moderna, que tem que trabalhar, dar conta da família, de tudo”, compara. Além das funções citadas, o padrão de beleza atual ainda cobra que a mulher esteja sempre linda, jovem e magra. “Para algumas pessoas, fazer exercício é um fardo, uma obrigação, mas para mim é o contrário. Eu me sinto mal quando não faço. É um hábito que eu tenho e que ajuda muito na coisa de envelhecer melhor”, conta a atriz, que pratica corrida, musculação e pilates.

Os elogios que Débora vem recebendo pela boa forma, de fato, não são obra do acaso. “Levo minha marmita para o Projac, sempre! Sou bem disciplinada com alimentação. Como de tudo, só que tento comer saudavelmente. Pelo menos durante a semana não como porcaria. A gente que trabalha com imagem precisa ter disciplina. O figurino tem que caber do início ao fim da novela, senão seria um prejuízo”, brinca.

O papel da mulher comum, frágil e forte ao mesmo tempo, é exercido com naturalidade por Débora. Mãe de Júlia, de 21 anos, e Hugo, 17 (frutos do casamento com o chef de cozinha francês e apresentador do GNT Olivier Anquier), a atriz não tem pudor em revelar que não passou impunemente pela chamada síndrome do ninho vazio, período em que o filho deixa a casa dos pais para alçar voo solo.

“A Júlia mora há dois anos em Nova York, onde estuda Cinema, e o Hugo, que está no último ano do ensino médio, quer fazer uma faculdade americana de Game Designer. Quando a Júlia saiu de casa, foi bem difícil, ficava com muita saudade. Agora, já acostumei um pouco, mas sou muito ligada aos meus filhos, a gente é muito próximo. A síndrome do ninho vazio é inevitável, porque você passa muito tempo da sua vida em que a prioridade são os filhos”, analisa.

Não é à toa que Débora já tem destino certo para quando as férias chegarem. “Vou visitar minha filha em Nova York, dar uma descansada, e depois quero produzir a peça ‘Os Realistas’, do Will Eno, que eu comprei os direitos autorais. Estou tentando levantar a produção para fazer essa peça logo depois da novela. Vamos ver se eu vou conseguir”, torce.

Últimas de Televisão