Paulo Cintura detona nova versão da 'Escolinha': 'Maldade e covardia'

Ator criticou o humorístico que conta com Mazzeo como titular e defendeu os atores originais

Por O Dia

Rio - Quem assistiu à nova versão da “Escolinha do Professor Raimundo” talvez tenha sentido falta do personagem Paulo Cintura, conselheiro fitness da antiga turma que tinha como bordão: "Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa”.

E, de acordo com o ator homônimo que participou do humorístico de Chico Anysio, o personagem não será visto tão cedo na nova geração. “Eu não permito, claro que não. O personagem é meu, ninguém pode usar, do contrário eles são passíveis de um processo", afirma Paulo.

Paulo Cintura detona nova versão da 'Escolinha'%3A 'Maldade e covardia'Divulgação

Cintura também não poupou críticas à atração que conta com Bruno Mazzeo no papel titular: "Tem 20 personagens da ‘Escolinha’ original que estão vivos. Que você pegue os que morreram e coloque cópias, eu entendo. Agora, pegar os personagens que estão vivos originais e colocar outros para substitui-los, isso eu não concordo. Acho um desrespeito, uma indelicadeza, uma covardia e uma maldade".

Ele afirma que os atores da atual versão se esforçaram e estão bem em seus papéis. No entanto, faltou consideração com os membros originais da atração que ainda estão vivos. “As pessoas não foram nem consultadas, e caso elas digam que foram consultadas, é mentira, porque eu liguei para elas e elas nem sabiam o que estava acontecendo. Só foram consultadas depois que estava no ar”, relata Paulo. O humorista também lamenta a atual situação de ex-colegas da turma. “Tem atores que foram fortíssimos, que hoje estão desempregados quase que passando fome, uma situação horrorosa", lamenta.

Mundo fitness

O mundo fitness sempre esteve presente em sua rotina. Desde os 11 anos de idade. Cintura conta que malha todos os dias, além de correr pelas manhãs e consumir vitaminas e muitas frutas. Ele inclusive já trabalhou em programas de rádio sobre esse universo.

Foi por conta desse estilo de vida que ele chegou até a “Escolinha”: “Não existe um personagem, o que existe sou eu, quem estava na ‘Escolinha' era eu”. Ele conta que dava aulas de ginástica para um dos diretores do programa, Paulo Ghelli. Foi quando ele sugeriu que fosse colocado um personagem que falasse sobre malhação no programa.

A ideia atiçou a curiosidade de Chico Anysio, que ficou impressionado com o jargão inventado pelo ator. Ele sugeriu então três atores para interpretarem um personagem, mas Chico disse para ele que era mesmo que iria fazer a “Escolinha”. “Eu caí lá de trombada, pensei em uma coisa e aconteceu outra”, diz o ator.

Cintura também afirma que seu famoso bordão "Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa” está ainda mais forte: “Essa frase está mais atual do que nunca, não conheço nenhuma outra mais contundente, mais forte e mais realista que essa. Acredito que ela ainda vai durar muito tempo”.

Reportagem: Guilherme Machado

Fonte: iG

Últimas de Televisão