Seattle Seahawks aposta na juventude e colhe frutos com segunda final seguida

Equipe de Washington faz trabalho de profunda observação no draft e garimpa talentos tanto na defesa quanto no ataque

Por O Dia

Estados Unidos - Pelo segundo ano consecutivo na final do Super Bowl, o Seattle Seahawks demonstra uma força incrível e uma olho clínico na hora de montar o seu elenco. Após a vitória sobre o Denver Broncos no ano passado, a equipe do Estado de Washington passou por uma grande reformulação e perdeu nomes importantes tanto na defesa quanto no ataque. Entre eles Breno Giacomini, filho de brasileiros, um dos principais jogadores da linha ofensiva, os wide-receviers (recebedores) Percy Harvin e Golden Tate.

Um dos melhores defensores da NFL%2C Richard Sherman foi apenas a 154ª escolha no draft de 2011Seattle Seahawks/Divulgação

Apesar de importantes baixas no ataque, os Seahawks souberam se reinventar e mantiveram uma base forte, principalmente na defesa, seu melhor ponto. Adotando a postura de sempre observar e mapear o draft, o Seattle pode se orgulhar de seus principais destaques serem fruto deste trabalho. Richad Sherman, Bobby Wagner, Kam Chanchellor, Michael Bennett e Byron Maxwell, todos fundamentais na parte defensiva, chegaram à equipe por meio das escolhas feitas pela direção.

Campeão em 2014%2C Russell Wilson foi selecionado apenas na 3ª rodada do draft em 2012Seattle Seahawks/Divulgação

No ataque, a qualidade do trabalho é a mesma. Russell Wilson, o líder do ataque, também é fruto desta profunda observação por parte do corpo técnico do treinador Pete Carroll. O quarterback foi selecionado apenas na 3ª rodada do draft de 2012, sendo o sexto da sua posição. O único destaque ofensivo que não se inclui na filosofia de investir em jovens promissores escolhido pelo draft é o caso do running back Marshawn Lynch, que chegou a Seattle após passar quatro anos jogando pelo Buffalo Bills.

LEIA MAIS: Russell Wilson pode fazer história com o Seattle Seahawks no Super Bowl

A juventude do elenco comandado por Carroll é impressionante. A média de idade dos jogadores é de aproximadamente 26 anos, uma das menores da NFL, o que eleva ainda mais o trabalho que vem sendo feito pelo ótimo técnico dos Seahawks, que já está à frente da equipe há cinco temporadas. Além da aposta em jovens e na formação de uma defesa sólida, mais conhecida como a "Legion of Boom', o Seattle tem a seu favor o histórico em casa e o apoio maciço de sua torcida. Considera pelo Livro dos Recordes como a mais barulhenta do mundo, os fãs do Hawks são peça-chave para apoiar o time quando joga no Century Link Field, transformando o estádio em um verdadeiro caldeirão ensurdecedor.

LEIA MAIS: New England Patriots conta com dupla vitoriosa para vencer Super Bowl

Diante do New England Patriots, neste domingo, Pete Carroll e seus jovens jogadores têm a chance de consolidar a geração do Seattle Seahawks, iniciar uma pequena dinastia com dois títulos consecutivos em dois anos, o que não acontece desde os Patriots em 2004/2005, e consagrar de vez o trabalho feitos nos últimos cinco anos pela equipe de Washington.

Últimas de Esporte