Gilmar desafia Romário: 'Por que não abre mão da imunidade parlamentar?'

Coordenador de seleções da CBF rebate o Baixinho; Após ser questionado, Dunga mostra decepção com o ex-companheiro

Por O Dia

Rio - Coordenador de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi rebateu as críticas de Romário e lançou um desafio ao ex-jogador e agora senador. Em entrevista à "La Gazzetta dello Sport", Romário declarou que "há interesses por trás das convocações da Seleção". Gilmar estuda uma ação judicial e desafia o tetracampeão mundial.

LEIA MAIS: Romário diz que 'há interesses por trás' nas convocações da Seleção

"Realmente a gente ficou surpreso com o que ele falou, mas vamos fazer uma ação judicial. Estamos estudando como, porque ele tem imunidade, é senador. Os advogados estão estudando como se faz isso. Ele é senador, tem imunidade parlamentar. Por que não abre mão da imunidade e abre as contas dele? Eu abro, se ele fizer, eu abro, abro meu sigilo bancário, telefone, tudo, das minhas contas no exterior abro também, que são regulares e estão no Banco Central. É simples. Falar é uma coisa, numa tribuna protegido por uma imunidade, aí é muito fácil. Eu falo aqui no programa e estou à disposição", declarou Gilmar Rinaldi no programa "Bem, Amigos", do SporTV.

Gilmar Rinaldi rebate Romário e lança desafioErnesto Carriço / Agência O Dia

Gilmar e Romário se conhecem de longa data. Inclusive, trabalharam juntos no Flamengo.

"Nunca fui amigo dele e ele não tem condição de ser meu amigo, até porque conheço bem o Romário. Fui diretor dele no Flamengo, realmente assinei a demissão dele para que fosse embora. O Caio (ex-jogador e agora comentarista) sabe muita história que não pode contar porque depois contei para ele. Eu conheço Romário, era diretor, estava à frente, tive de tomar uma decisão por três vezes, com dois avisos, e tenho os documentos", acrescentou.

Dunga também não foi poupado das críticas do Baixinho, que declarou que o técnico não deveria ter voltado para a seleção brasileira. O treinador mostrou decepção com Romário.

"Uma grande decepção, pelo fato que sempre fui amigo dele. Amigo, entendo como respeito, o cara ser honesto, defender o companheiro. Se tem alguma dúvida, podia ter me ligado e perguntado. Estamos tomando providências, esperamos que a imunidade parlamentar dele não atrapalhe, não nos seja negado o direito de vir ao torcedor, já que estamos no mundo do futebol com muitas desconfianças, muitas acusações, mas os fatos até agora não. O senador Romário tem que trazer os fatos. Disparar para todo lado e atingir as outras pessoas, não importa se tem que matar um amigo, isso não é amigo, isso não é coisa de pessoas que têm uma linha reta", afirmou Dunga.

Últimas de Esporte