Brasil promete encarar ex-treinador de 'igual para igual' no Mundial de Handebol

Boa parte dos jogadores do Brasil nunca havia sido treinado por outro técnico na seleção que não Jordi Ribera quando ele se despediu do comando da equipe, após os Jogos Olímpicos do Rio-2016

Por O Dia

França - Se pudesse escolher o adversário das oitavas de final do Mundial de Handebol, o Brasil colocaria a Espanha como última opção. Ao terminar em quarto no Grupo A, porém, a seleção brasileira terá que encarar já na primeira rodada de mata-mata o melhor time do Grupo B. E, neste duelo, reencontrar aquele que foi o seu técnico durante os últimos quatro anos.

Brasil terá um osso duro de roer pela frenteDivulgação / CBHb

Boa parte dos jogadores do Brasil no Mundial nunca havia sido treinado por outro técnico na seleção que não Jordi Ribera quando ele se despediu do comando da equipe, após os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Agora ele comanda a Espanha e vai reencontrar os seus pupilos em um jogo de vida ou morte no Mundial.

"Temos que jogar de igual para igual. Vamos enfrentar a equipe do Jordi, um grande amigo e parceiro por quem todos temos muito respeito. Não era essa a história que queríamos. Preferíamos encontrar a Espanha em outro momento, mas não teremos nenhum problema com relação a isso", garantiu o técnico brasileiro, Washington Nunes, que era auxiliar de Ribera.

Foi sob o comando do espanhol que o Brasil chegou duas vezes seguidas às oitavas de final do Mundial, depois de cair na primeira fase em seis edições consecutivas. Jordi Ribera elevou a seleção brasileira a um novo nível e agora será ele o responsável por tentar impedir que a equipe avance um patamar e chegue às quartas de final.

Para isso, deve usar do seu amplo conhecimento sobre o time brasileiro. "O Jordi conhece bastante nosso time. Sabe todos os nossos pontos fracos e fortes. Com certeza ele vai procurar neutralizar o que temos de melhor. Temos que nos preparar para fazer um bom jogo contra a Espanha, nos concentrarmos e acertarmos os detalhes", disse o ala Haniel.

Já Henrique Teixeira, capitão da equipe depois do corte de Thiagus Petrus, acredita que também o Brasil pode se beneficiar de conhecer Jordi Ribera tão bem. "Vai ser difícil enfrentar a Espanha. É um time de muita qualidade. Conhecer bem o Jordi pode ser bom para os dois lados. Sabemos as táticas que ele pode utilizar contra nós e ele sabe o que fazer para jogar contra o Brasil", avaliou.

O duelo entre Brasil e Espanha está marcado para este sábado, às 21h45 locais (18h45 de Brasília), em Montpellier. Pelo chaveamento, quem avançar às quartas de final pega o vencedor do duelo entre Croácia e Egito.

Últimas de Esporte