Poder ofensivo é uma preocupação no Botafogo

Com o Glorioso tendo que derrotar o Fluminense, Ricardo Gomes diz que o ataque precisa render mais

Por O Dia

Rio - Melhor defesa do Campeonato Carioca, com sete gols sofridos, o Botafogo vem tendo muitas dificuldades na hora de partir para o ataque. O time marcou somente 20 gols na competição até aqui, bem atrás dos outros três grandes que chegaram às semifinais — o Flamengo balançou as redes 29 vezes, e Vasco e Fluminense, 26.

No domingo, diante do Fluminense, o time alvinegro vai precisar da vitória para chegar à decisão do título. E, para isso, terá que buscar o jogo. O técnico Ricardo Gomes reconhece que o desempenho ofensivo da equipe vem deixando a desejar: “Com certeza, temos que melhorar a parte ofensiva para conseguir a classificação.”

O garoto Ribamar vem tendo a missão de comandar o ataque alvinegroVitor Silva / SS Press

Na avaliação do treinador, o retrospecto favorável diante do rival não conta muito neste momento da competição. No primeiro jogo, o Botafogo venceu por 2 a 0, em Cariacica e, no segundo, em Volta Redonda, cedeu o empate no último lance. Ricardo lembra que, na primeira partida, o Tricolor era comandado por Eduardo Baptista e, na segunda, Levir Culpi havia acabado de assumir o time.

Agora, o Fluminense está mais encorpado e perigoso. Por isso, Ricardo lamenta não ter alcançado a vantagem do empate na semifinal, o que permitiria jogar do jeito que o time se sente mais confortável: nos contra-ataques.

Para domingo, o treinador alvinegro poderá ter a dupla de zaga titular: Joel Carli cumpriu suspensão e Emerson Santos, após quatro jogos fora do time, está recuperado de lesão na coxa direita.

A dúvida é se poderá contar no meio-campo com Fernandes, que vinha substituindo Airton, ainda sem previsão de retorno à equipe. Fernandes sentiu a coxa direita na partida contra o Bangu e não participou do jogo de domingo diante do Boavista.