Eurico Miranda critica arbitragem e aconselha 'escolinha e reciclagem'

Presidente do Vasco fica na bronca com gol anulado

Por O Dia

Rio - Eurico Miranda avisou que não é "de mandar ofício". Por isso, concedeu coletiva, nesta quinta-feira, para protestar contra a arbitragem no jogo contra o Barra Mansa, pelo Campeonato Carioca. A bronca é devido ao gol anulado. O presidente do Vasco aconselha reciclagem e "escolinha" ao árbitro Raphael Silvano e à assistente Andrea Mafra.

Eurico Miranda reclama da arbitragem no jogo contra o Barra MansaDivulgação

"Tanto a auxiliar, ou principalmente o árbitro da partida, não lhe restam outra coisa se não voltar para a escolinha. A Comissão de Arbitragem, quem dirige, tem obrigação de mandar tanto a bandeirinha, como o árbitro, para uma reciclagem ou escolinha. Eles não têm condição de continuar apitando ou bandeirando enquanto não passarem por essa reciclagem. Erros de arbitragem são normais. Eles são falíveis, agora o que aconteceu, segundo todos os relatos, o juiz tinha dado o gol, a bandeira marcou, foi feita a reclamação, o árbitro se dirigiu a ela e ela disse: "Se bateu no defensor, não foi impedimento". E o árbitro acenou que tinha batido no defensor, mas as razões dele só ele pode explicar. Ele não validou o gol e confirmou o impedimento. Não quero entrar em outros detalhes, mas digo oficialmente que a opinião do Vasco e essas coisas não são feitas por ofício, elas se tornam públicas. Pública tem sido a posição oficial no sentido do auxiliar e do árbitro passarem por um reciclagem e voltarem para uma escolinha", declarou Eurico Miranda.

LEIA MAIS: Atacante Gilberto chega ao Vasco sem medo da pressão

No lance em questão, após cruzamento para área, a zaga do Barra Mansa desviou e a bola sobrou para Marcinho, que mandou para o fundo da rede. O gol, porém, foi anulado devido à marcação de impedimento do atleta do Vasco.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

"Quando a bola bate no defensor, não tem impedimento. A TV imediatamente mostrou, qualquer um viu que foi o defensor que passou a bola. Ela pode ter se precipitado, ter visto que o Marcinho estava em posição de impedimento, mas a partir do momento que tem a confirmação de que a bola bateu no defensor, não restava outra atitude ao árbitro que não voltar atrás e dar o gol. Não estou justicando nada, quero deixar muito claro o seguinte: eu acho que o time do Vasco para jogar com o Barra Mansa, com todo o respeito, não tem que depender de um erro de árbitro. O Vasco não jogou absolutamente nada. Tinha que jogar como Vasco e não jogou como Vasco. Como consequência, aconteceu o resultado", disse Eurico.