ANS alerta para venda de cartões pré-pagos de saúde

Cartilha adverte que estes tipos de serviços não garantem os mesmos benefícios e direitos existentes em convênios médicos por não serem regulamentados

Por O Dia

Rio -  O anúncio é atraente: por parcelas de apenas R$ 18,90 por mês, é possível ter acesso a consultas médicas e exames da rede particular de saúde. Para o consumidor desavisado, pode parecer uma oportunidade barata para substituir o plano de saúde. Mas este tipo de serviço representa um risco quando o usuário precisa fazer tratamentos e exames mais complexos.

Terça-feira, a Agência Nacional de Saúde (ANS) lançou uma cartilha em que esclarece a diferença em relação aos planos de saúde. Os serviços de cartões de desconto e pré-pagos parecem um convênio médico, mas não são. Funciona da seguinte forma: o contratante recebe um cartão e, mediante o pagamento de uma mensalidade, pode fazer consultas e exames na rede particular, com preços mais baixos do que os valores cobrados normalmente.

Antes da consulta, o cliente faz recarga do cartão, da mesma forma que acontece na telefonia celular. A Vale Saúde, por exemplo, oferece consultas a R$ 63 e exames com desconto. Além do valor da mensalidade e da consulta, o cliente paga uma taxa de R$ 2,50 no momento da recarga.

Na internet%2C empresa anuncia cartões pré-pagos a preços baixosDivulgação

A ANS esclarece que estes serviços não são regulamentados pela agência, por isso o cliente não terá os mesmos direitos que um usuário dos planos de saúde. Se ele precisar ficar internado no hospital ou de fazer um exame mais complicado, por exemplo, os cartões não oferecem cobertura.

“Todos os avanços que a sociedade conseguiu com a regulamentação dos planos não estão garantidos neste serviço. Os planos tem rol de cobertura atualizado de tempos em tempos. Estes cartões têm limite financeiro. Se você tiver doença que precisa de um tratamento de alto custo, a cobertura acaba”, explica Rafael Vinhas, gerente-geral de Estrutura e Operação dos Produtos da ANS.

Ele alerta ainda que as operadoras de planos de saúde não estão autorizadas a comercializar cartões e devem ser denunciadas, se isso ocorrer. “As operadoras não podem ter qualquer tipo de participação na venda desses cartões”, diz Vinhas.

Tabela comparativa entre planosArte O Dia

Simulação feita pela Proteste, entidade de defesa dos direitos do consumidor, mostra que o barato pode sair caro se o usuário dos cartões precisar de serviços mais complexos. Uma conta feita para uma paciente de 35 anos, por exemplo, que precisa de três consultas e um exame de endoscopia mostrou que, pelo cartão pré-pago, a fatura no final do mês sai por R$ 535,48. Se os procedimentos fossem cobertos pelo plano de saúde, o valor seria de R$ 341,87 (56%).

Últimas de _legado_Economia