Ciganos alemães criticam 'criminalização' em caso de 'anjo loiro'

Menina foi encontrada com uma família cigana na Grécia. Presidente de Conselho diz que minoria na Europa sofre 'preconceitos racistas'

Por O Dia

Alemanha - O presidente do Conselho de Ciganos Alemães, Romani Rose, lamentou nesta terça-feira a "criminalização" e a "estigmatização" de sua comunidade pelo tratamento midiático do caso do "anjo loiro", a menina de 4 anos encontrada junto a uma família cigana na Grécia.

Durante uma entrevista coletiva em Berlim com o presidente do Centro de Pesquisa sobre antissemitismo, Wolfgang Benz, Rose criticou a cobertura midiática de um caso em que "toda a minoria (cigana) na Alemanha e Europa sofreu" e lamentou suas consequências.

"Na Sérvia, skinheads atacaram uma família cigana porque tinha um filho loiro; na Irlanda várias crianças também foram separados de seus pais pela polícia" devido à cor de seu cabelo, disse Rose. Inclusive, "algumas crianças ciganas foram perguntados por colegas de classe se eles também tinham sido roubados ou eram filhos biológicos", acrescentou.

Menina conhecida como "anjo loiro" foi encontrada pela polícia búlgara com ciganos na GréciaReuters

Por sua vez, Benz lembrou que os preconceitos contra os ciganos existem desde a Idade Média, quando o desaparecimento de crianças era atribuído majoritariamente aos judeus e aos ciganos.

Além disso, lamentou que ainda, quando uma criança loira é encontrada em uma família cigana "em seguida surge a dedução de que a criança não pertence a essa família, que é roubada".

Benz reprovou a imprensa que rapidamente e sem provas falou da "libertação" da menina, ao separá-la da família cigana. A reação obedece, segundo ele, aos "preconceitos racistas" que a comunidade cigana continua suportando.