Hamas rejeita cessar-fogo novamente e diz que 'resistência armada' continua

Líderes palestinos dizem que não vão ceder às 'pressões internacionais' e que vão ditar suas 'próprias condições'

Por O Dia

Gaza / Jerusalém - O movimento islamita Hamas afirmou nesta segunda-feira que "não cederá às pressões internacionais" para alcançar um cessar-fogo em Gaza e que continuará a "resistência armada" até que suas demandas e as "aspirações do povo" palestino sejam atendidas.

Em comunicados divulgados nesta segunda-feira, vários líderes do Hamas reiteraram sua intenção de seguir adiante com sua luta armada para resistir à ofensiva militar que Israel iniciou em 8 de julho, e que a comunidade internacional procura interromper.

Sami Abu Zuhri, porta-voz do grupo na Faixa de Gaza, disse que os "esforços internacionais para se conseguir um cessar-fogo têm como objetivo retirar Israel da difícil situação na qual se encontra".

Conselho de Segurança da ONU pede fim imediato das hostilidades em Gaza

"A resistência armada não cederá às pressões e ditará suas próprias condições através de sua superioridade no terreno", defendeu Abu Zuhri.

Mulher passa mal no enterro de militar de Israel morto em conflito com forças do Hamas em Gaza Reuters

O antigo primeiro-ministro do Hamas, Ismael Haniyeh, afirmou que "o inimigo está sendo derrotado nas fronteiras e a resistência armada irá satisfazer as demandas de nosso povo".

"As condições da resistência armada são as mínimas reivindicações para qualquer cessar-fogo e os sacrifícios de nosso povo estão pavimentando o caminho da vitória", disse.

A diplomacia internacional se mobilizou hoje pela segunda vez em uma semana para tentar colocar um fim ao enfrentamento armado que já deixou 514 palestinos e 20 israelenses mortos.

Após a tentativa da semana passada, o ministro de Relações Exteriores do Egito, Sameh Shukri, retomou os contatos entre Israel e Hamas com os chanceleres árabes e com o secretário de Estado americano, John Kerry, que participará de conversas no Cairo, assim como o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Com as novas consultas, Egito pretende consolidar o apoio internacional ao seu plano para colocar um fim às hostilidades.

O Ministério das Relações Exteriores egípcio ressaltou que sua iniciativa para acabar com o atual conflito, rejeitada até agora pelo Hamas, conta agora com "um amplo respaldo regional e internacional".

Últimas de _legado_Mundo e Ciência