Vaticano ativa 'alerta máximo' para um possível atentado terrorista

Apesar do alerta, não há informações concretas sobre possíveis ameaças. Policiamento em Roma segue reforçado

Por O Dia

Rio - Após os atentados em Paris, o alerta terrorista no Vaticano é "máximo", de acordo com o chefe da unidade de polícia de operações especiais de Roma, Diego Parente. Apesar do alerta, o oficial informou que "não houve nenhuma novidade sobre ameaças.

O alerta foi ativado após informações divulgadas na Itália sobre um possível atentado terrorista no Vaticano. Parente garantiu que esta suspeita "ainda não foi confirmada". Ainda segundo o representante da polícia de Roma, as precauções já "tinham aumentado" antes dos incidentes, mas após os atentados, Roma "revisou e potencializou todas as medidas de segurança".

Alerta no Vaticano segue 'máximo' para atentado terriristaReuters


Diego Parente declarou que foram considerados "todos os alvos sensíveis", lugares dos quais a cidade de Roma "está cheia". As medidas foram tomadas "sem privilegiar uns em relação aos outros", e sim de forma global. A capital tem segurança reforçada no bairro do Gueto Romano e em redutos judeus, assim como "embaixadas, monumentos, lugares de culto e redações de jornal e televisão."

Ameaças do Estado Islâmico

Antes das declarações, o telejornal da TV estatal israelense Canal 1 citou fontes do serviço secreto americano, para afirmar que o próximo alvo do Estado Islâmico é o Vaticano. Descrevendo a informação como 'exclusiva', mas sem dar muitos detalhes sobre o assunto, o programa deu a notícia durante todo o telejornal.

Após a reportagem ir ao ar, Ayala Hasson, diretora do canal, também postou a nota no Twitter. Segundo fontes de Inteligência italiana ouvidas pela Ansa, a Santa Sé é um "possível objeto" do grupo radical, mas por enquanto "não há sinais concretos" que indiquem um ataque iminente.

Ainda de acordo com as fontes, o Mossad, serviço secreto de Israel, e a CIA enviaram relatórios nos últimos dias citando possíveis cenários para os italianos. No entanto, não houve indicações de elementos concretos de risco.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência