'Motorista falava ao celular quando entrou na Linha Amarela', diz delegado

Vítima que está hospitalizada assumiu durante depoimento nesta quarta-feira

Por O Dia

Rio - O motorista do caminhão admitiu, na tarde desta quarta-feira, estar falando no celular desde o momento em que entrou na Linha Amarela, segundo o delegado da 44ª DP (Inhaúma), Fábio Asty. "O condutor afirmou que estava falando com um colega de trabalho, que segundo ele, teve o filho desaparecido nos últimos dias", disse o delegado. O aparelho celular já foi recolhido para perícia.

>>>GALERIA: Tragédia na Linha Amarela deixou cinco mortos 

O delegado também relatou que Luiz Fernando, de 30 anos, garantiu que não viu a caçamba levantada e de acordo com Asty, ele reagiu com surpresa ao saber das cinco mortes por conta da tragédia na via. Apesar do depoimento, a delegacia ainda não descarta a possibilidade de ele ter içado a caçamba pra tampar a placa e escapar de uma possível multa.

De acordo com o delegado, a caixa de marcha do veículo foi consertada na última semana e o caminhão voltou a circular na segunda-feira. O mecânico que fez o conserto também será chamado para prestar depoimento, assim como o funcionário que dirigiu o caminhão no dia anterior ao acidente, o colega de trabalho que falava com Luiz Fernando pelo celular e o gerente operacional da empresa responsável pelo caminhão.

A polícia vai solicitar uma perícia complementar para apurar se esse defeito na caixa de marcha pode ter afetado a bomba hidráulica do veículo, que é responsável por içar a caçamba. A caixa de marcha caiu na sexta-feira.

'Todo bom profissional perceberia uma caçamba aberta' diz testemunha

O motorista de ônibus Antônio Carlos da Silva Thimótheo, de 42 anos, que dirigia a linha 315 da Empresa Real Auto-ônibus e presenciou a tragédia na Linha Amarela, prestou depoimento na 44ª DP (Inhaúma) nesta quarta-feira sobre o acidente. Por volta das 9h da manhã desta terça, o condutor viu o momento em que a caçamba do caminhão da empresa Arco da Aliança atingiu a passarela da via e a derrubou, causando a morte de cinco pessoas e deixando outras cinco feridas.

De acordo com o delegado, ele negou ter emparelhado com o motorista do caminhão Fernando da Costa, de 30, e também afirmou que não viu o condutor falando no celular. Ele alega que tentou acelerar para alcançar o veículo e avisar o motorista sobre a caçamba, mas, devido à velocidade do caminhão, Antônio não conseguiu.

Antônio Carlos da Silva Thimótheo presenciou toda a tragédia na Linha AmarelaFabio Gonçalves / Agência O Dia

"Vi o motorista passar com a caçamba semi-aberta por três passarelas, mas quando vi que a caçamba estava toda aberta e iria colidir na passarela, parei há uns 100 metros de distância e presenciei toda a tragédia. Tudo que estou dizendo pode ser comprovado pelas câmeras ao longo da via", disse ele.

O motorista de ônibus trabalha há quatro anos na área e já foi motorista de caminhão. Ao ser questionado se Fernando não poderia ter percebido a caçamba aberta, ele disse. "Acredito que todo bom profissional perceberia uma caçamba aberta", afirmou o motorista do ônibus.

Caminhão atingiu passarela da Linha Amarela%2C que desabou%2C deixando cinco pessoas mortasFabio Gonçalves / Agência O Dia

Fábio Asty ouvirá ainda as vítimas sobreviventes do acidente. De acordo com o delegado, em uma conversa informal, o motorista do caminhão disse que entrou na Linha Amarela por conta própria, mesmo sendo em horário proibido.

Corpos de vítimas foram enterrados nesta tarde

Quatro vítimas fatais da tragédia na Linha Amarela foram enterradas na tarde desta quarta-feira em dois locais distintos do Rio. Adriano Pontes de Oliveira, Célia Maria e o taxista Alexandre Gonçalves de Almeida foram enterrados no Cemitério de Inhaúma, por volta de 13h. Já Renato Pereira Soares, motorista do Palio que foi atingido foi enterrado no Cemitério do Maruí, em Niterói, na Região Metropolitana.

Estado de saúde dos feridos

A vitima Liliane de Souza Rangel, 33 anos, foi transferida do Hospital Municipal Souza Aguiar para o Centro de Tratamento Intensivo (CTI), do Hospital Pasteur, no Méier, na Zona Norte. Após realização de diversos exames, foi descartada a fratura de fêmur e evidenciou-se uma fratura, sem gravidade, na vértebra da coluna lombar e uma lesão complexa na bacia com indicação cirúrgica. A paciente está em observação pela equipe médica e ainda não há previsão para realização do procedimento.

Gláucia Andrade, de 56 anos, e Jairo Venatti, de 44 anos, estão nos hospitais Estadual Alberto Torres e Federal de Bonsucesso, respectivamente. Imagens de câmeras de segurança da via estão sendo analisadas. A polícia também aguarda resultado dos laudos periciais.

BPVE notificou 111 veículos durante fiscalização

Policiais do Batalhão de Policiamento das Vias Expressas já notificaram 111 veículos na manhã desta quarta-feira. Desse total, 22 foram autuados por outras irregularidades do trânsito. Nesta manhã, o BPVE começou desde as 6h a fiscalização para coibir veículos com transporte de carga na Linha Amarela em horário proibido. Nesta terça-feira, por volta de 9h da manhã, um caminhão que trafegava com uma caçamba levantada atingiu uma passarela, derrubando-a e deixando cinco pessoas mortas e outras cinco feridas.

Passarela sobre a Linha Amarela foi desmontada e retirada da via por guindastes%3A a liberação total do tráfego só aconteceu por volta de 18h30%2C mais de nove horas depoisFabio Gonçalves / Agência O Dia

De acordo com o comandante do BPVE, major Gilbert Santos, a fiscalização será intensificada nos próximos dias e a Lamsa, concessionária que administra a via, será avisada da existência da placa que proíbe caminhões e não veículos de carga. Muitos motoristas estão reclamando que estão sendo parados para a vistoria. Eles justificam que a placa indica apenas que caminhões não podem trafegar no horário estabelecido. A fiscalização está em cinco pontos montados ao longo da Linha Amarela.

Estão livres para a circulação os veículos de utilidade pública, estabelecidos pela resolução 268/2008, do Contran, veículos de emergência, de mudanças residenciais e transportes de combustível ou lubrificante.

Últimas de Rio De Janeiro

'Motorista falava ao celular quando entrou na Linha Amarela', diz delegado O Dia - Rio De Janeiro

'Motorista falava ao celular quando entrou na Linha Amarela', diz delegado

Vítima que está hospitalizada assumiu durante depoimento nesta quarta-feira

Por O Dia

Rio - O motorista do caminhão admitiu, na tarde desta quarta-feira, estar falando no celular desde o momento em que entrou na Linha Amarela, segundo o delegado da 44ª DP (Inhaúma), Fábio Asty. "O condutor afirmou que estava falando com um colega de trabalho, que segundo ele, teve o filho desaparecido nos últimos dias", disse o delegado. O aparelho celular já foi recolhido para perícia.

>>>GALERIA: Tragédia na Linha Amarela deixou cinco mortos 

O delegado também relatou que Luiz Fernando, de 30 anos, garantiu que não viu a caçamba levantada e de acordo com Asty, ele reagiu com surpresa ao saber das cinco mortes por conta da tragédia na via. Apesar do depoimento, a delegacia ainda não descarta a possibilidade de ele ter içado a caçamba pra tampar a placa e escapar de uma possível multa.

De acordo com o delegado, a caixa de marcha do veículo foi consertada na última semana e o caminhão voltou a circular na segunda-feira. O mecânico que fez o conserto também será chamado para prestar depoimento, assim como o funcionário que dirigiu o caminhão no dia anterior ao acidente, o colega de trabalho que falava com Luiz Fernando pelo celular e o gerente operacional da empresa responsável pelo caminhão.

A polícia vai solicitar uma perícia complementar para apurar se esse defeito na caixa de marcha pode ter afetado a bomba hidráulica do veículo, que é responsável por içar a caçamba. A caixa de marcha caiu na sexta-feira.

'Todo bom profissional perceberia uma caçamba aberta' diz testemunha

O motorista de ônibus Antônio Carlos da Silva Thimótheo, de 42 anos, que dirigia a linha 315 da Empresa Real Auto-ônibus e presenciou a tragédia na Linha Amarela, prestou depoimento na 44ª DP (Inhaúma) nesta quarta-feira sobre o acidente. Por volta das 9h da manhã desta terça, o condutor viu o momento em que a caçamba do caminhão da empresa Arco da Aliança atingiu a passarela da via e a derrubou, causando a morte de cinco pessoas e deixando outras cinco feridas.

De acordo com o delegado, ele negou ter emparelhado com o motorista do caminhão Fernando da Costa, de 30, e também afirmou que não viu o condutor falando no celular. Ele alega que tentou acelerar para alcançar o veículo e avisar o motorista sobre a caçamba, mas, devido à velocidade do caminhão, Antônio não conseguiu.

Antônio Carlos da Silva Thimótheo presenciou toda a tragédia na Linha AmarelaFabio Gonçalves / Agência O Dia

"Vi o motorista passar com a caçamba semi-aberta por três passarelas, mas quando vi que a caçamba estava toda aberta e iria colidir na passarela, parei há uns 100 metros de distância e presenciei toda a tragédia. Tudo que estou dizendo pode ser comprovado pelas câmeras ao longo da via", disse ele.

O motorista de ônibus trabalha há quatro anos na área e já foi motorista de caminhão. Ao ser questionado se Fernando não poderia ter percebido a caçamba aberta, ele disse. "Acredito que todo bom profissional perceberia uma caçamba aberta", afirmou o motorista do ônibus.

Caminhão atingiu passarela da Linha Amarela%2C que desabou%2C deixando cinco pessoas mortasFabio Gonçalves / Agência O Dia

Fábio Asty ouvirá ainda as vítimas sobreviventes do acidente. De acordo com o delegado, em uma conversa informal, o motorista do caminhão disse que entrou na Linha Amarela por conta própria, mesmo sendo em horário proibido.

Corpos de vítimas foram enterrados nesta tarde

Quatro vítimas fatais da tragédia na Linha Amarela foram enterradas na tarde desta quarta-feira em dois locais distintos do Rio. Adriano Pontes de Oliveira, Célia Maria e o taxista Alexandre Gonçalves de Almeida foram enterrados no Cemitério de Inhaúma, por volta de 13h. Já Renato Pereira Soares, motorista do Palio que foi atingido foi enterrado no Cemitério do Maruí, em Niterói, na Região Metropolitana.

Estado de saúde dos feridos

A vitima Liliane de Souza Rangel, 33 anos, foi transferida do Hospital Municipal Souza Aguiar para o Centro de Tratamento Intensivo (CTI), do Hospital Pasteur, no Méier, na Zona Norte. Após realização de diversos exames, foi descartada a fratura de fêmur e evidenciou-se uma fratura, sem gravidade, na vértebra da coluna lombar e uma lesão complexa na bacia com indicação cirúrgica. A paciente está em observação pela equipe médica e ainda não há previsão para realização do procedimento.

Gláucia Andrade, de 56 anos, e Jairo Venatti, de 44 anos, estão nos hospitais Estadual Alberto Torres e Federal de Bonsucesso, respectivamente. Imagens de câmeras de segurança da via estão sendo analisadas. A polícia também aguarda resultado dos laudos periciais.

BPVE notificou 111 veículos durante fiscalização

Policiais do Batalhão de Policiamento das Vias Expressas já notificaram 111 veículos na manhã desta quarta-feira. Desse total, 22 foram autuados por outras irregularidades do trânsito. Nesta manhã, o BPVE começou desde as 6h a fiscalização para coibir veículos com transporte de carga na Linha Amarela em horário proibido. Nesta terça-feira, por volta de 9h da manhã, um caminhão que trafegava com uma caçamba levantada atingiu uma passarela, derrubando-a e deixando cinco pessoas mortas e outras cinco feridas.

Passarela sobre a Linha Amarela foi desmontada e retirada da via por guindastes%3A a liberação total do tráfego só aconteceu por volta de 18h30%2C mais de nove horas depoisFabio Gonçalves / Agência O Dia

De acordo com o comandante do BPVE, major Gilbert Santos, a fiscalização será intensificada nos próximos dias e a Lamsa, concessionária que administra a via, será avisada da existência da placa que proíbe caminhões e não veículos de carga. Muitos motoristas estão reclamando que estão sendo parados para a vistoria. Eles justificam que a placa indica apenas que caminhões não podem trafegar no horário estabelecido. A fiscalização está em cinco pontos montados ao longo da Linha Amarela.

Estão livres para a circulação os veículos de utilidade pública, estabelecidos pela resolução 268/2008, do Contran, veículos de emergência, de mudanças residenciais e transportes de combustível ou lubrificante.

Últimas de Rio De Janeiro