Estado do Rio lidera em casos de tortura no Brasil

De 455 ações do país listadas em relatório, entre 2005 e 2010, 75 são de tribunais fluminenses

Por O Dia

Rio - O relatório “Julgando a tortura: análise de jurisprudência nos Tribunais de Justiça do Brasil (2005-2010)”, lançado ontem pela ONG Conectas, mostra que o Rio registra a maior quantidade de processos judiciais por tortura em todo o Brasil. Do total de 455 processos analisados nos 27 Tribunais de Justiça pelo país, no Rio foram encontrados 75 processos. Minas Gerais foi o segundo estado que mais registrou casos com 47. São Paulo é o terceiro da lista com 40.

Além da Conectas, desenvolveram a pesquisa nos últimos quatro anos o Núcleo de Pesquisas do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim), a Pastoral Carcerária, a Ação dos Cristãos para a Abolição da Tortura (Acat) e o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP).

Os pesquisadores fizeram uma busca em todos as sentenças de segunda instância dos tribunais envolvendo crimes de tortura, entre janeiro de 2005 e dezembro de 2010. A opção foi feita porque a maioria dos TJs não dá acesso às decisões de primeiro grau.

Desse modo, foram mapeadas 800 vítimas sendo que 2/3 correspondem ao perfil “homem”, “homem suspeito” e “crianças”. Nesse último tópico, verificou-se uma quantidade expressiva de casos de violência no ambiente doméstico.

O perfil do agressor pelo país evidencia que a prática de tortura nas instituições de segurança pública continua desde a Ditadura Militar. O relatório aponta que agentes públicos representaram 61% dos casos, seguidos de agentes privados com 37%. No Rio, é diferente. Ao se contabilizar o total de agressores, em processos com mais de um réu, foram encontrados mais agentes privados (70%) do que agentes públicos (30%).

A professora Maria Gorete Marques de Jesus do NEV-USP, uma das coordenadoras do estudo, explica que os dados podem estar abaixo da realidade já que os tribunais, de modo geral, não deixam disponíveis decisões de primeira instância, o que reduz a capacidade da pesquisa. “O Tribunal do Rio também tinha 10% dos casos sob sigilo que tivemos que excluir, pois não pudemos pesquisar”, afirma Maria Gorete.

O estudo mostra aumento de casos ao longo dos anos. Em 2005, foram encontrados 40 casos. Já em 2010, foram 119. Outro dado alarmante é o número de vítimas de tortura que morreram: 24 pessoas, sendo 14 delas presos/suspeitos, nove crianças e uma ex-namorada.

Absolvição para agentes públicos 

O levantamento concluiu ainda que agentes públicos envolvidos em casos de tortura têm mais chances de ser absolvidos do que familiares, cônjuges e seguranças particulares, por exemplo. Os funcionários do Estado condenados em primeira instância foram absolvidos na segunda instância em 19% dos casos. Entre agentes privados, o índice é de 10%.“Os dados mostram que a Justiça opera de maneira diferenciada em função do perfil do réu e da vítima”, afirma Vivian Calderoni, advogada do programa de Justiça da Conectas.

Rafael Custório, outro coordenador do estudo, observa que em processos envolvendo agentes públicos há maior rigor na cobrança de provas e desvalorização das denúncias envolvendo vítimas presas.

“A palavra de um preso que está denunciando um crime acaba tendo pouco valor no Judiciário. Ainda depende muito de qual é o seu perfil. A ‘fé pública’ é muito recorrente, fala-se que o agente prisional, por exemplo, não teria motivo para mentir, o que nem sempre ocorre”, explica Custódio. Os pesquisadores sugerem que as equipes de perícia deveriam ser separadas das Secretarias de Segurança Pública para evitar interferência nos casos.

Últimas de Rio De Janeiro