Pai e filho são atacados por dois cães pitbulls em Jacarepaguá

Menino, que tem 10 anos, foi mordido no queixo, barriga, cabeça e pernas. Seu estado é considerado estável

Por O Dia

Rio - Um homem e seu filho de apenas 10 anos, foram atacados na madrugada deste domingo por dois cães da raça Pitbull. O ataque aconteceu pouco depois das 2h, na garagem de uma casa da Rua Manoel Vieira, no bairro do Tanque, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio.

Jeferson Luis Fernandes, 31, e a criança, haviam acabado de entrar na garagem do sócio do primeiro, Bruno Moura, quando os cães, que são criados no quintal da casa, perceberam a presença dos dois. Os pitbulls atacaram o menino. Apavorado ao ver o filho atacado, Jeferson tentou afastar os animais e também acabou sendo mordido.

O menino teve ferimentos na cabeça, queixo, barriga e pernas. Já Jeferson, nas mãos e pescoço. O barulho acordou os vizinhos que correram até o local e usaram paus e pedras para afastar os cachorros. A Polícia Militar foi chamada e as vítimas acabaram levadas ao Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, por uma ambulância do Corpo de Bombeiros.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o pai sofreu ferimentos leves e já teve alta médica. Já o menino, com ferimentos múltiplos foi medicado e estável. Ele permanece internado em observação, sem previsão de alta. O estado dele não é grave.

Na unidade, Bruno Moura, que é o proprietário dos pitbulls, informou que Jeferson é seu sócio numa serralheria que funciona no local do ataque. "Ele mora ali, no espaço da minha garagem, há pouco mais de um mês. Neste fim de semana, decidiu buscar o filho, que mora em Piabetá, para passar o domingo com ele. Os cães estranharam o menino e o atacaram. Jeferson tentou protegê-lo e, por isso, também acabou ferido.", disse Moura, no hospital.

Os pitbulls que os atacaram se chamam Buck, de três anos e meio, e Zairon, de dois.

Especialista em adestramento de cães e comportamento canino, Elaine Natal disse que se o cão for temperamental e não for educado, pode atacar, independentemente da raça. “Os cães em questão devem ter sido criados como cães de guarda. Não atacaram por ser um Pitbull. Se o cão não for socializado ou educado, pode avançar. Pitbull não é cão de guarda, mas sim de caça”, opinou.

Últimas de Rio De Janeiro