Polícia suspeita que assassinato de ex-prefeito foi crime político

Peemedebista Rogério Bianchini, que já esteve à frente da prefeitura de Macuco, foi baleado 5 vezes na porta de casa

Por O Dia

Bianchini foi prefeito e vice por mandatos consecutivos em MacucoDivulgação

Rio - Um crime movido por interesses políticos — principal linha de investigação da Polícia Civil — chocou ontem a população de Macuco, município da Região Serrana. O ex-prefeito Rogério Bianchini, 53 anos, foi morto com cinco tiros na porta de casa, no bairro Maravilha, quando saía para caminhar de manhã. Segundo a PM, os disparos foram realizados contra Rogério de Honda Civic prata, que fugiu pela RJ-116, sentido Nova Friburgo. O ex-prefeito foi socorrido, mas morreu a caminho do hospital.

De acordo com o chefe de investigação da 154ª DP (Cordeiro), Roberto Ferreira, responsável pelo caso, a delegacia aguarda o laudo final da perícia para iniciar as investigações do caso. “Estamos nos esforçando para encontrar os responsáveis pelo crime. Acreditamos que o conflito político da vítima possa ter ligação com o assassinato, mas ainda não temos nada concreto”, disse.

Bianchini era filiado ao PMDB e foi prefeito de Macuco até 2012. Ele foi o chefe da administração pública por dois mandatos consecutivos. Anteriormente foi vice-prefeito nos dois mandatos de seu predecessor.

Não é a primeira vez que ocorre um crime contra um ex-prefeito da cidade. Em 2006, Maurício Bittencourt, que esteve à frente da cidade de 1996 a 2004, foi morto com quatro tiros próximo à casa onde morava ao voltar de um casamento. Rogério, na época, era prefeito.

Segundo uma funcionária da Prefeitura de Macuco que já havia trabalhado com o ex-prefeito, Rogério Bianchini era uma figura política carismática e polêmica.

O político respondia a processos administrativos relacionados ao período em que governou. No ano passado, o ex-prefeito e mais cinco empresários foram denunciados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ).

Eles foram acusados de formação de quadrilha e fraude ao caráter competitivo de procedimentos licitatórios cometidos de maneira reiterada. O órgão requeria ainda garantir a reparação do prejuízo causado aos cofres públicos. Juntos, somam R$ 3,7 milhões.

Através de nota oficial, o atual prefeito Félix Lengruber, que atualmente está em Belo Horizonte (MG), lamentou a morte do político. “A Prefeitura de Macuco-RJ se solidariza, diante deste momento de dor e tristeza, com familiares e amigos do ex-prefeito Rogério Bianchini.”

Desavenças políticas na cidade

O crime ocorrido em 2006, faltando dois anos para as eleições municipais, Maurício Bittencourt ainda não havia decidido se iria se candidatar à Prefeitura de Macuco. Com isso, a reeleição do então prefeito Rogério Bianchini para o ano de 2008 poderia estar ameaçada.

No assassinato de ontem, segundo informações, o ex- vice de Rogério, Felix Lengruber, atual prefeito, e ele, estavam rompidos. Isto porque Félix não concordava com a possível candidatura de Rogério às eleições do ano que vem.

Félix Lengruber permaneceu os oito anos como vice de Rogério Bianchini, até se candidatar em 2012 à Prefeitura de Macuco. Na época, Rogério não poderia concorrer à prefeitura porque já havia cumprido dois mandatos consecutivos.

Reportagem de Nonato Viegas e Vinícius Amparo

Últimas de Rio De Janeiro