Homem acusado de torturar e ameaçar mulher de morte é preso

Ele é suspeito ainda de ter matado outra ex-companheira, em 2009. Segundo a polícia, ele espanca e asfixia as vítimas

Por O Dia

Fabiano Freitas Borges%2C de 31 anos%2C foi preso nesta terça-feiraDivulgação

Rio - Os policiais da 66ª DP (Piabetá) prenderam, na noite desta terça-feira, no Dia Internacional da Mulher, um homem acusado de praticar violência doméstica contra mulheres. Fabiano Freitas Borges, de 31 anos, é suspeito de torturar e ameaçar a companheira de morte, no distrito de Piabetá, em Magé, na Região Metropolitana do Rio.

De acordo com a polícia, assim como em outros relacionamentos amorosos, ele espancava e asfixiava a parceira, de 26 anos. Em uma das ocasiões, o homem teria arrancado a unha de um dos pés da mulher, com um golpe de barra de ferro, além de quebrar dois dentes. Após o ocorrido, a vítima pediu a separação e foi morar em Mauá, na Zona Norte.

No entanto, Fabiano descobriu o endereço da ex-companheira e a ameaçou de morte, mandando que ela retirasse a queixa na delegacia. 

No dia 31 de janeiro, o suspeito voltou à casa da mulher, a agrediu e apertou o pescoço dela até que desmaiasse. Quando ela acordou, estava nua e com um pênis de borracha, conhecido como "consolo", dentro de sua genitália.

Depois disso, a vítima se mudou novamente e somente os policiais da 66ª DP sabiam o seu novo endereço. No entanto, o acusado continuava a ameaçando por telefone.

Essa não é a primeira vez que Fabiano se envolve em crimes de violência contra mulheres. Em 2009, ele foi preso suspeito de ter matado uma outra ex-companheira, na Penha, na Zona Norte. Zuleide Prestes Ferreira e o homem haviam se separado porque a mulher não aguentava mais agressões. No entanto, pouco tempo depois, Zuleide foi encontrada morta com uma corda no pescoço.

Além disso, a polícia controu que Fabiano trabalhava como "marido de aluguel" e recebia dinheiro de mulheres solteiras para trocar lâmpadas e fazer outros trabalhos domésticos. Ele é ainda suspeito de roubar os objetos dessas vítimas.

Últimas de Rio De Janeiro