Moradores fazem protesto por causa da morte de menino baleado em Madureira

Ato começou após enterro da criança, no Cemitério de Irajá. Pelo segundo dia seguido, houve tumulto na região

Por O Dia

Menino Rian Gabriel%2C de apenas 4 anos%2C foi atingido no peito quando estava com o avô na calçadaReprodução TV

Rio - Pelo segundo dia seguido, os moradores de Madureira, na Zona Norte, vivenciaram um clima de guerra no bairro. No fim de outro protesto contra a morte do menino Ryan Gabriel Pereira dos Santos, de 4 anos, atingido por uma bala perdida no Morro do Cajueiro, houve novamente tumulto e correria. Alguns manifestantes queimaram um colchão perto da comunidade e tentaram ainda incendiar uma lixeira. O fogo foi controlado pelos policiais, com ajuda de moradores.

De acordo com o Centro de Operações, eles interditaram os dois sentidos da Avenida Ministro Edgard Romero, na altura do Instituto Estadual de Educação Carmela Dutra. Os manifestantes levaram faixas, cartazes e ainda um caixão feito de papelão com as cores do Estado. O avô do menino, que foi enterrado nesta tarde, no Cemitério de Irajá, também participou do ato.

Durante o protesto, um grupo ainda jogou três bombas caseiras na comunidade e jovens tentaram invadir a estação de BRT Otaviano, que já havia sido depredada em outra passeata nesta segunda-feira. Os policiais jogaram bombas de efeito moral e atiraram balas de borracha para dispersar a multidão. Agentes do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) estão na região.

Pelo segundo dia seguido%2C houve tumulto e correria em protesto%2C em Madureira%2C na Zona NorteAlexandro Auler / Agência O DIA

Além disso, o Mercadão de Madureira foi fechado por medidas de segurança e as escolas da região também não abriram nesta terça-feira. Segundo a Polícia Militar, houve um princípio de tumulto, mas foi controlado de imediato pelos PMs responsáveis pelo policiamento do local. 

Amigos e parentes protestam durante enterro de menino%2C de 4 anos%2C morto após ser baleado em Madureira%2C na Zona NorteAlexandro Auler / Agência O DIA

Nesta segunda-feira, os moradores já haviam feito outro ato na via. No entanto, houve confusão, dois ônibus e uma estação do BRT queimados. Na ocasião, seis jovens foram detidos sob suspeita de tentar incendiar outro veículo.

Confronto em Madureira

Ryan Gabriel estava com o avô na calçada de casa quando foi baleado. Policiais militares do 9º BPM (Rocha Miranda) contaram ao DIA que bandidos do Morro da Serrinha tentaram invadir o Cajueiro ontem à tarde. O comando da unidade disse que, depois que soube que uma criança e um adolescente haviam sido baleadas, enviou "imediatamente" uma viatura às unidades de saúde, os hospitais Getúlio Vargas, onde Ryan foi socorrido por populares, e o Albert Schweitzer, em Realengo, onde um jovem de 17 anos deu entrada com ferimentos.

Sob forte emoção%2C Ryan é enterrado nesta terça-feiraAlexandro Auler / Agência O DIA

O menino foi enterrado na tarde desta terça-feira, sob forte emoção de seus parentes. A família e os amigos protestaram, no Cemitério de Irajá, com cartazes e aplausos.

LEIA MAIS

Temor em Madureira deixa mais de 3 mil alunos sem aulas nesta terça-feira

Morre menino baleado no Domingo de Páscoa no Morro do Cajueiro

Em nota, o comando do batalhão frisou que não fazia operação no Morro do Cajueiro, no momento em que as vítimas foram atingidas, "nem tinha sido acionado em razão de um tiroteio". Ainda não há informações sobre o estado de saúde do jovem que foi levado para o hospital em Realengo.

A morte do menino Ryan Gabriel será investigada pelo delegado Niandro Ferreira, titular da 29ª DP (Madureira), que instaurou inquérito para apurar as circunstâncias em que o garoto foi baleado. Policiais civis realizam diligências para esclarecer o crime.

Últimas de Rio De Janeiro