Alerj quer aumentar as vagas em asilos

Para deputada, a regra criada em 2002 ignora a capacidade que algumas instituições têm de abrigar mais pessoas

Por O Dia

Rio - A Comissão da Criança, do Adolescente e do Idoso da Alerj vai alterar a lei que limita em 60 o número de idosos que podem ser atendidos por cada asilo privado do Estado do Rio. Para a deputada estadual Marcia Jeovani (DEM), membro da comissão, a regra, de 2002, ignora a capacidade que algumas instituições têm de abrigar mais pessoas — e arrecadar mais dinheiro —, inviabilizando o sustento dessas casas.

Segundo Marcia, o Rio é o único estado do país com essa restrição. “Muitos asilos não conseguem dar bom atendimento porque não cobrem todos os custos”, diz. A comissão vai ouvir técnicos antes da alteração na lei, sem data prevista.

“Essa revisão é importante porque as vagas em asilos públicos são insuficientes”, afirma o juiz Sérgio de Souza, da 4ª Vara da Infância, Juventude e do Idoso da Capital. O promotor Luiz Cláudio Carvalho, coordenador do Centro de Proteção ao Idoso do Ministério Público, ressalta que o atendimento individualizado não deve ser ferido.

Últimas de Rio De Janeiro