Jovens fazem ato para apoiar aluno repreendido por usar batom em escola

Caso viralizou nas redes sociais e foi o segundo assunto mais comentado no Twitter nesta quinta-feira

Por O Dia

Diego Archanjo disse que coordenação de escola o chamou para reclamar que ele estava usando batom vermelhoReprodução Facebook

Rio - Um aluno do pré-vestibular do Sistema Elite de Ensino, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, relatou que foi repreendido pela coordenação da escola por ter usado batom vermelho durante a aula nesta quarta-feira. De acordo com Diego Archanjo, de 17 anos, a coordenadora alegou que queria evitar algum tipo de preconceito dos estudantes contra o jovem. "Não entendi a preocupação dela, já que outras pessoas usam", completou.

Para mostrar apoio a Diego, dezenas de estudantes do colégio organizaram um protesto nesta quinta-feira e usaram batom vermelho. Com apoio de alunos de outras unidades do Elite, como a de Nilópolis e a de Vila Valqueire, o ato ganhou repercurssão nas redes sociais com a hashtag #BatomPodeHomofobiaNão e foi o segundo assunto mais comentado no país pelo Twitter.

"Tire sua homofobia do caminho, quero passar com o meu amor", escreveram em uma imagem de convocação para o protesto. "Mexeu com um aluno do Elite, mexeu com todos", afirmou outro internauta. "Todos te apoiam, Diego", destacou mais um usuário da Web.

Diego se mostrou surpreso com a manifestação e contou que nunca havia sido alvo de preconceito dentro do colégio. "Se houve algum comentário, nunca chegou até a mim. O protesto é importante para expor o problema. Dessa forma, o uso do batom vermelho já não se torna estranho diante dos outros estudantes. Depois da repercussão, o diretor e a coordenadora da escola vieram pedir desculpas. O diretor disse que apoia o nosso ato", destacou o jovem, acrescentando que usa o batom na escola desde janeiro deste ano.

Procurado pelo DIA, o Sistema Elite de Ensino informou que já apurou internamente "o mal entendido ocorrido com um aluno em uma de suas unidades". "Conforme esclarecido pelo próprio aluno em um vídeo nas redes sociais, em nenhum momento houve atitude discriminatória da escola. Os princípios e valores do Elite, nos quais se embasa não só nossa proposta educativa mas também inspiram nossos modos de ser escola e nossos educadores, preza pelo acolhimento à diversidade e respeito ao ser humano. “O batom é livre para todos”!", completou, em nota.

Últimas de Rio De Janeiro