Presidente do Banco Central relembra as consequências para os países emergentes da retirada do programa de estímulo do Fed

Por parroyo

São Paulo - O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, ressaltou durante a abertura do XVI Seminário Anual de Metas de Inflação, no Rio de Janeiro, que os mercados globais "seguem mais tranquilos" um ano após o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ter sinalizado o começo da retirada do programa de estímulos. 

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, discursou durante a abertura do Seminário Anual de Metas de InflaçãoMarcelo Camargo / Agência Brasil

Tombini afirmou que desde a edição do ano passado do evento, o principal tema nas discussões macroeconômicas tem sido o processo de normalização das condições monetárias globais e os desafios propostos aos bancos centrais de todo o mundo, e principalmente dos países emergentes, em meio a diminuição do programa de compra de títulos pelo Fed.  

“Superada a etapa inicial e já com maior clareza quanto aos próximos passos, os mercados globais seguem mais tranquilos”, disse o presidente do BC. Como consequência da política do Fed, houve realinhamento dos preços dos principais ativos financeiros e também aumento da volatilidade nos mercados globais.

O Seminário Anual de Metas de Inflação marca os quinze anos do regime de metas de inflação no país. “São quinze anos de inflação sob controle, graças a um arcabouço de política monetária baseado no compromisso claro e explícito com a estabilidade de preços. É um regime que mantém flexibilidade suficiente para ajustar-se aos choques econômicos”, afirmou Tombini.  


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia