'Eu era uma magrela bem estranha', diz Agatha Moreira em entrevista inédita

Atriz está no ar como a personagem Domitila, na novela 'Novo Mundo', da Globo.

Por O Dia

Agatha MoreiraDivulgação

Agatha Moreira, a Domitila de 'Novo Mundo', é a entrevistada da coluna deste domingo. Para viver a personagem, a atriz teve que deixar de depilar as axilas e esquecer a dieta:

“Naquela época, as mulheres eram um pouco mais cheinhas e houve até um pedido para que eu ganhasse um pouco mais de peso”, contou ela à coluna, relembrando que era muito magra na época de adolescente: “Eu era uma magrela bem estranha. Pego as minhas fotos antigas, vejo e digo: ‘meu Deus que bem que o tempo me fez!'. Ficar com os braços mais roliços e abrir mão da depilação são fatores que não preocupam o ator Pedro Lamin, com quem Agatha namora há nove meses: “Ele é super de boa, não está nem aí”.

Você continuou dançando depois de ter participado do ‘Dança dos Famosos’?
Agora eu parei. Eu quero muito voltar, mas agora eu estou dedicada apenas a Domitila. Naquela época, as mulheres eram um pouco mais cheinhas e houve até um pedido para que eu ganhasse um pouco mais de peso... Então eu estou livre.

A estética era diferente naquela época, né?
Era diferente. Em um dos livros que eu estudei, dizia que a coisa mais atraente naquela época nas mulheres eram os braços roliços e o que hoje em dia as mulheres têm pavor disso.

Você se submeteria a ficar com o braço roliço por um personagem?
 Sim, sem problema algum.

Você deixou de depilar a axila?
Pois é! Já deixei de depilar a axila... Deixar o braço roliço é o de menos.

Você acha isso pior?
É porque é muito incômodo. É uma coisa que você não se acostumou, sabe? Pelo menos para mim, mas não julgo quem queira ficar sem se depilar. Tudo certo.

Há quanto tempo você não depila?

Desde janeiro

Como é no seu dia a dia? Você sai só com blusa de manga, né?
Não, estou de boa, não estou ligando muito não.

Qual foi a reação de uma pessoa que te encontrou sem o figurino e reparou que as suas axilas não estavam depiladas?
As pessoas acham engraçado, mas não criticam.

Mas você tem que explicar que é para a personagem da novela?
Sim! Às vezes tem que explicar. É bom explicar.

Você está namorando?
Estou sim. Há nove meses.

E como ele reagiu?
Ah, ele é super de boa, não está nem aí.

Ele depila a axila?
Não, não.

Você tem problema com homem que se depila?
Problema nenhum. Eu acho que é questão de gosto, né, Leo? Tem gente que gosta de pelos, tem gente que gosta de homens com pelos. Eu não gosto nem dos pelos do meu gato, sabe?

Eu li que você fingia ser fã da Sandy para ser mais popular na escola. Como era isso? Geralmente a beleza faz com que as meninas sejam mais populares...
Eu não era julgada pelo aspecto de beleza. Eu era uma magrela bem estranha. Pego as minhas fotos antigas, vejo e digo: ‘meu Deus que bem que o tempo me fez!’. Na verdade, era aquela coisa meio que ‘Maria vai com as outras’: todas as meninas amavam Sandy e Júnior, tinham todos os álbuns, colavam figurinhas e eu não podia estar fora dessa! Eu também tinha que ter o CD, o poster e o álbum.

Ser popular significa que você é aceito pelo outro. Como funciona isso agora na sua cabeça?
Depende muito de quem é o outro. Me preocupo não por uma questão de popularidade... Eu acho que eu me preocupo em como eu me sinto com as minhas atitudes, sabe? Se eu julgo as minhas atitudes corretas então eu não vou ter por que me preocupar com o julgamento do outro.

Quer dizer o seu senso crítico é apurado?
Sim, com certeza.

Você já recebeu proposta para posar nua?
Não.

Agora tem essa nova ‘Playboy’ conceitual, com as modelos posando... Você aceitaria?
Ih, eu nem sabia! Meu Deus!

Quando vira mais conceitual, se torna mais permissível. O nu é um problema para você?
O nu não é um problema para mim quando se trata do meu trabalho como atriz. Eu não tenho problema nenhum ao fazer um personagem ou qualquer coisa parecida relacionada ao meu trabalho. Eu acho que eu Agatha posando nua em uma revista não há personagem. Sou eu! E eu não tenho nenhuma vontade.

Com você não tem essa de encarar uma personagem para posar nua para uma revista?
Não, eu acho que a partir do momento que a revista está falando sobre você e o seu nome que está na capa, é você que está ali.

Você está morando sozinha pela primeira vez?
Sim, mas já tem um tempinho.

Quanto tempo?
Primeiro eu morei muito sozinha lá fora aos 17 anos por conta da profissão de modelo. Na verdade, desde sempre eu tive essa questão de ser independente. Eu gosto de ser independente, de não depender do meu pai nem da minha mãe. Morar sozinha para mim é uma grande conquista.

E em relação aos afazeres domésticos? Como é a sua vida aqui?
 Eu faço tudo, Leo. Quando chegar agora em casa, eu vou ter uma pilha de louça para lavar.

Mentira! Você não tem uma ajudante?
Tenho, mas é só uma vez por semana. Não tenho ninguém que fique lá todos os dias e eu nem gosto de pedir para ela fazer comida, porque eu gosto de fazer a minha comida. Eu gosto de cozinhar.

Você não é uma ‘estrela’, no pior sentido da palavra... O que fez você ser dese jeito?
Eu acho que a minha criação. Agradeço muto ao meu pai e a minha mãe a educação que eles me deram.

Qual foi a educação?
Eu sou da Zona Norte do Rio. Venho de uma família de certa forma humilde, e minha mãe e meu pai sempre me ensinaram que humildade sempre vem acima de tudo. Sou uma pessoa que sempre aprendi a não contar com o dia de amanhã. O mundo gira e as coisas podem mudar de uma hora para outra. Eu não sei o dia de amanhã e isso eu aprendi com o meu pai e com a minha mãe. Isso faz toda diferença.

Ter nascido na Zona Norte faz diferença?
Faz. Para a maioria do mundo, o Rio de Janeiro é só Barra da Tijuca e Zona Sul. Faz diferença ter nascido na Zona Norte porque você vivencia situações completamente diferentes.

O que é que você tem de suburbana?
Muita coisa! Tenho uma aptidão nata ao funk. Isso já vale.

O que te incomoda na fama?
O que me incomoda é as pessoas às vezes confundirem e pensarem na fama como sucesso profissional. Às vezes não é.

O fato de ser conhecido não é necessariamente ser conhecido dentro da profissão. A pessoa ser popular não é necessariamente ter sucesso profissional. É isso?
Exatamente! Isso acontece muito. Eu tenho vários amigos em que a própria família não considera ator ou atriz simplesmente porque nunca apareceu na televisão. E não é isso que faz um ator. Não é ele ser famoso ou não. Eu acho impressionante que em pleno 2017 ainda tenha muita gente ainda com essa cabeça.

Tem alguma coisa que você queira falar para os seus fãs?
 Só agradecer a quem não só me conhece, mas reconhece meu trabalho. Eu só tenho que agradecer a essas pessoas.