Crescem pedidos de benefício no INSS

No Rio, de janeiro a novembro foram concedidas 112.170 aposentadorias ante 96.496 do ano passado

Por O Dia

Eliseu Padilha participa da comemoração de 10 anos do Programa EAD - Fundação Ulysses Guimarães
Eliseu Padilha participa da comemoração de 10 anos do Programa EAD - Fundação Ulysses Guimarães - José Cruz/Agência Brasil

As idas e vindas nas tentativas do governo de aprovar a Reforma da Previdência em 2017 não ditaram as discussões só em Brasília. Os pedidos de entrada de aposentadoria no INSS aumentavam ou diminuíam ao longo do ano, conforme a chance de o texto passar no Congresso mudava.

Somente no Rio de Janeiro, de acordo com dados da Previdência, de janeiro a novembro foram concedidas 112.170 aposentadorias. Em igual período do ano passado foram 96.496. Ou seja, alta de 16,2% nos pedidos. Já em todo país, de janeiro a outubro, foram 7,9 milhões de pedidos de benefício - um aumento de quase 10% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em maio, com o governo encurralado após a divulgação da gravação entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, da JBS, o número de pedidos saltou de 9.019 (2016) para 11.504 (2017). Em agosto, quando a reforma estava sofrendo alterações, os números subiram de 8.676 do ano passado para 11.112. Já em outubro, quando o governo dava como certo ter o número de votos para sua aprovação, os pedidos saltaram de 8.980 (2016) para 11.418.

"A oscilação pode refletir os ânimos da reforma e o comportamento da série aponta uma minicorrida que foi contida pelo episódio da JBS. Talvez em fevereiro, quando o governo fará uma nova tentativa de aprovação, ocorra um novo movimento", disse à Agência Estadão Conteúdo o economista da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Paulo Tafner.

Ontem, a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a abertura de crédito suplementar de R$ 99 milhões para bancar a propaganda do governo sobre a Reforma da Previdência. A ação pede a suspensão da campanha em caráter liminar, portanto ainda será analisada pelo Supremo Tribunal federal (STF).

O entendimento da Procuradoria é que é inconstitucional aplicar os recursos para custeio de uma propaganda governamental sem dar espaço para opiniões divergentes.

Comentários

Últimas de Economia