Trensalão tucano é de novo denunciado

O contrato fraudado era de R$ 1,8 bilhão, de acordo com o promotor Marcelo Mendroni

Por O Dia

Rio -  O Grupo de Atuação Especial de Combate a Delitos Econômicos (Gedec) do Ministério Público paulista apresentou uma nova denúncia contra a Alstom e a CAF, fabricantes de trens e material ferroviário da França e da Espanha, respectivamente, na qual acusa as empresas de terem participado de um cartel e fraudado licitações realizadas em 2009 e 2010 por um empresa do governo de São Paulo, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Na época, o governador de São Paulo é o hoje senador José Serra (PSDB-SP). O contrato fraudado era de R$ 1,8 bilhão, de acordo com o promotor Marcelo Mendroni, para a aquisição de novos trens, reforma e manutenção dos veículos pelo prazo de vinte anos. Um dos indícios de fraude foi que o preço apresentado pelo CAF, que venceu a disputa. Ele tinha uma diferença de 0,0099% em relação ao valor de referência – montante fixado pela CPTM como o preço máximo que seria aceito.

Na acusação, o promotor Mendroni também pede a prisão preventiva de Cesar Ponce de Leon, que integrou no Brasil a direção da multinacional francesa Alstom Transport, e do ex-presidente da Alstom na Espanha, Antonio Oporto. Mendroni já denunciou mais de 35 executivos de empresas acusadas de participar do esquema de cartel metroferroviário nos governos do PSDB em São Paulo. 


Últimas de Brasil