Aliados pressionam para Cunha manter privilégios

Afastado da presidência da Câmara e do exercício do mandato, o deputado deve continuar com salário integral de R$ 33,7 mil e a morar na residência oficial

Por O Dia

Rio - Afastado da Presidência da Câmara por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deverá continuar com parte dos benefícios que usufrui como parlamentar. A tendência é que o peemedebista mantenha o salário integral de R$ 33,7 mil e permaneça na residência oficial da Câmara.

As benesses a que Cunha terá direito serão definidas na segunda-feira. Inicialmente, a previsão era cortar pela metade o salário de Cunha. Mas aliados do peemedebista e deputados investigados pela Operação Lava Jato pressionam pela manutenção de benefícios. Cunha hoje tem direito à cota de R$ 78 mil mensais para o pagamento de salário de assessores, além do chamado “cotão”, de R$ 32,5 mil - verba usada mensalmente para reembolso de gastos como aluguel de escritório, transporte e alimentação.

Segundo aliados, Cunha está com ar ‘contemplativo’ e falando pouco Marcelo Camargo/Agência Brasil

“É uma questão muito polêmica e nem todos os integrantes da Mesa estão aqui. Então, ficou para segunda. Pressão pode haver, mas eu não vou descumprir a legislação. Vamos seguir a decisão do Supremo. Eu defendo fazer uma assimetria com presidente da República que é afastado e que pode manter parte das prerrogativas ”, disse o primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP).

Aliados de Cunha vão pedir na próxima reunião do Conselho de Ética, prevista para na terça-feira, o “trancamento” do processo de cassação do peemedebista sob o argumento de que ele está afastado do mandato. Mas o relator do caso, Marcos Rogério (DEM-RO), garantiu que já recebeu parecer da consultoria da Câmara de que o o processo continua independentemente do afastamento de Cunha.

O deputado passou o dia ontem na residência oficial e, segundo relatos, está abatido e com ar contemplativo, falando pouco. No final do dia, Cunha recebeu o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA).Outros deputados também participaram do encontro, que durou cerca de uma hora. 

Últimas de Brasil