Senado enquadra procurador-geral da República

Advocacia da casa vai avaliar impeachment do procurador

Por O Dia

Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) disse nesta terça-feira que o pedido de impeachment do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, protocolado semana passada, recebeu um aditamento e que o documento será enviado para análise da advocacia do Senado para emissão de parecer. “Esse pedido foi aditado segunda-feira, e vou mandar para a Advocacia-Geral do Senado para emitir parecer”, disse.

Janot está na mira de Renan CalheirosDivulgação / Fellipe Sampaio / STF

O pedido aditado foi apresentado por duas advogadas alegando que Janot deu tratamento diferenciado no episódio em que pediu ao Supremo Tribunal Federal a prisão do próprio Renan, do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do ex-presidente da República José Sarney.

Ao falar dos pedidos, Renan negou que a demora na análise seja uma tentativa de intimidação a Janot. “Quem me conhece sabe que eu não sou de ameaçar. Absolutamente, esse verbo não faz parte do meu dicionário”, disse.

Renan também disse que o “senador Renan Calheiros” tem o direito de se indignar, mas o presidente do Senado não tem. “Não desbordarei do cumprimento do meu papel constitucional”, disse.

Últimas de Brasil