Campanha na Internet arrecada fundos para viagens de Dilma Rousseff

Iniciativa no cartarse.me pretende angariar R$ 500 mil com doações de R$ 10 a R$ 5 mil de pessoas físicas

Por O Dia

Rio - Impedida de voar em aviões da FAB para outras cidades que não Porto Alegre, onde tem residência, a presidente afastada Dilma Rousseff poderá ter as viagens custeadas por uma ação entre amigos pela Internet. A campanha para arrecadação de fundos "Jornada pela Democracia" foi lançada nesta quarta-feira no site Catarse, especializado em crowdfounding (espécie de "vaquinha online"). A meta inicial é arrecadar R$ 500 mil. Nas primeiras 3 horas, a iniciativa havia arrecadado cerca de R$ 31 mil

As contribuições podem ser apenas por pessoas físicas e variam de R$ 10 a R$ 5 mil reais. Segundo os organizadores da campanha, cada doador receberá como recompensas simbólicas uma foto autografada de Dilma, um vídeo de agradecimento e terá o nome citado no site da presidente afastada.

O objetivo inicial da campanha online é arrecadar R$ 500 mil para viagens de Dilma RousseffRoberto Stuckert Filho/PR

Na plataforma, serão aceitas apenas doações de pessoas físicas residentes no Brasil. Cada doador receberá uma recompensa simbólica: a citação do seu nome no site da presidenta, um vídeo de agradecimento e uma foto oficial da Dilma autografada.

Para participar é preciso ter cadastro no site Catarse.me. A prestação de contas será publicada no site www.dilma.com.br.

Viagens só entre Brasília e Porto Alegre
O governo do presidente em exercício Michel Temer limitou, por meio de parecer da Casa Civil, as viagens da presidente afastada Dilma Rousseff, em aviões da Força Aérea Brasileira, ao trajeto entre Brasília e Porto Alegre. Na semana passada, a Justiça do Rio Grande do Sul permitiu que os aviões da FAB fossem usados em outras viagens, contando que ela arcasse com os custos.

A presidente em viajado pelo país para denunciar o processo de impeachment, que chama abertamente de golpe, e o governo Temer. Nesta quinta-feira, Dilma deve se encontrar com militantes em Belém do Pará.

Últimas de Brasil