Filme 'Ela' traz uma história de amor diferente

Indicado a cinco categorias do Oscar, o longa também disputa o prêmio de melhor filme

Por O Dia

Rio - A sinopse não diz muita coisa: um homem solitário que se apaixona por um sistema operacional. Mas explicar ‘Ela’ de Spike Jonze dessa forma seria leviano. O filme é muito mais do que isso. É uma daquelas experiências capazes de mudar a vida de alguém. O que inicialmente pode soar como bizarro aborda questões existenciais de uma forma tão bela e sutil que é praticamente impossível não se sensibilizar diante do roteiro, que também é assinado pelo diretor.

Joaquin Phoenix é Theodore%2C um homem apaixonado por um sistema operacional chamado SamanthaDivulgação


Após conceber a história, Jonze fez duas escolhas determinantes para o bom resultado de ‘Ela’ — não é à toa que seu filme coleciona cinco indicações ao Oscar. Sem Joaquin Phoenix e Scarlett Johansson tudo poderia ir por água abaixo. Ele, no papel do protagonista Theodore, consegue personificar a imagem de um homem que se acostumou com a solidão por não conseguir lidar com o fim de seu casamento com Catherine (Rooney Mara). A figura de Scarlett nem mesmo aparece na tela. Apenas a sua voz é escutada como o sistema operacional (OS), batizado de Samantha. Mesmo assim, ela passa as emoções necessárias em cada cena, apenas com o seu tom de voz.

Há uma transformação drástica de Theodore com a chegada de Samantha, ou melhor, com a compra de seu novo OS, dotado de uma inteligência artificial intuitiva, capaz de evoluir a cada experiência a que é submetido. O programa, que inicialmente o ajudaria a organizar seus e-mails, compromissos e telefonemas, acaba preenchendo o lugar que Catherine deixou vazio na vida de Theodore.

No decorrer da trama, fica cada vez mais claro que não se trata apenas de uma história incomum de amor ou da relação entre o homem e a tecnologia. Em seu cerne, ‘Ela’ mostra como o ser humano é complexo ao lidar com seus próprios sentimentos e que o fato de aceitar que tudo acaba é um dos maiores atos de amor.

Últimas de Diversão